Covid-19. Rússia anunciou a produção do primeiro lote da Sputnik V

As autoridades russas informaram neste sábado que o país produziu o primeiro lote da vacina contra o coronavírus, anunciada no início da semana pelo presidente Vladimir Putin e que o resto do planeta recebeu com cepticismo.

“O primeiro lote da nova vacina conta o coronavírus foi produzido no Centro de Pesquisas Gamaleya”, anunciou o Ministério da Saúde da Rússia, num comunicado, citado pelas agências de notícias do país.

O presidente Putin afirmou na terça-feira que uma primeira vacina “bastante eficaz” foi registada na Rússia pelo Centro de Pesquisas de Epidemiologia e Microbiologia Nikolai Gamaleya, em Moscovo, em associação com o ministério russo da Defesa.

Durante o anúncio, Putin também afirmou que uma de suas filhas foi vacinada com a Sputnik V, nome escolhido para o fármaco,  numa referência ao satélite soviético colocado em órbita em 1957, em plena Guerra Fria.

Cientistas ocidentais, no entanto, expressaram cepticismo. Alguns afirmaram que uma vacina desenvolvida de maneira precipitada pode ser perigosa, pois a fase final dos testes – na qual a eficácia é comprovada com milhares de voluntários –só arrancou nesta semana.

O director do Centro Gamaleya, Alexandr Ginzburg, afirmou este sábado em declarações à agência TASS que os voluntários que participam na última fase receberiam duas injecções.

O fundo soberano russo envolvido no desenvolvimento da vacina afirmou que a produção industrial começará em Setembro e que 20 países já encomendaram mais de mil milhões de doses.

O instituto Gamaleya foi acusado de não respeitar os protocolos habituais com o objectivo de acelerar o processo de fabricação e comercialização da vacina.

Até ao momento, a Rússia não divulgou um estudo detalhado que permita verificar de maneira independente os resultados.

Com mais de 917.000 casos oficiais de COVID-19 registados, a Rússia é o quarto país do mundo mais afectado pela pandemia (em número de contágios), atrás dos Estados Unidos, do Brasil e da Índia.

O novo coronavírus matou mais de 760.000 pessoas em todo o planeta e mais de 21,2 milhões foram infectadas, de acordo com o balanço mais recente da AFP com base em fontes oficiais.

Perante um vírus que não dá tréguas, a esperança passa pelo desenvolvimento de uma vacina eficaz.

O governo dos Estados Unidos da América, que investiu mais de 10 mil milhões de dólares em seis projetos de vacinas e assinou contratos que garantem a entrega de centenas de milhões de doses em caso de sucesso, prometeu vacinar os americanos de maneira gratuita.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.