Maurícias. Removido crude que se encontrava no interior de petroleiro acidentado

A maioria do combustível que se encontrava no interior de um petroleiro japonês que derramou cerca de 1.000 toneladas de crude ao largo da costa do arquipélago das Maurícias foi removida do interior da embarcação, disse a empresa proprietária do navio, a Nagashiki Shipping, na quarta-feira.

O primeiro-ministro das Maurícias Pravind Jugnauth disse, na terça-feira, que o MV Wakashio ainda armazenava 2.000 toneladas de óleo e expressou o seu receio de que a embarcação partisse a meio, originando um grande desastre ecológico.

“O que me foi transmitido é que a recolha de combustível está quase terminada, mas é difícil garantir que não se vão registar mais problemas”, disse o porta-voz da Nagashiki, Yoshinori Fukushima.

O navio era operado pela Mitsui OSK Lines Ltd quando atingiu um recife e encalhou na costa sudeste das Ilhas Maurício, nas imediações do Aeroporto Internacional da ilha, a 25 de julho. Jugnauth declarou o estado de emergência na última sexta-feira.

O óleo do navio alcançou algumas das praias mais procuradas do Oceano Índico, ameaçando corais,  animais selvagens e a indústria do turismo do país.

A França, antiga potência colonizadora, disse que auxiliaria a nação insular com a limpeza e o Japão comprometeu-se a enviar especialistas para ajudar nas operações. A Organização Marítima Internacional está a prestar consultoria técnica.

O Japan P&I Club, única organização japonesa que subscreve seguro de protecção e indemnização (P&I) para navios oceânicos e costeiros, disse que ainda não consegue estimar o custo da limpeza: “Estamos a tentar fazer estimativas internas e a considear diferentes cenários, incluindo o pior e o melhor, mas ainda não temos nenhum número que possamos divulgar”, disse o porta-voz Koichi Miyahiro.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.