Carta de um português em Xangai a António Costa

Fotografia: Há um mês, Xangai era uma cidade vazia.

Sr. Primeiro Ministro, António Costa

Se me permite lanço-lhe daqui um apelo. Estes números não o assustam? Neste momento em que escrevo houve 3497 novos casos em Itália, não acha assustador? Um total de 21157 casos e 1441 mortos, não acha dramático? E 1081 novos casos em Espanha. Também não? Um total de 6313 e 193 mortos, mesmo ao lado da nossa pátria, não é preocupante? Sabe que existem cálculos que colocam Portugal em 10 dias onde Espanha está hoje e em 19 dias onde a Itália está hoje? Não se assusta? Não acha que algo tem que ser feito de forma mais rápida?

José Drummond, 

Artista plástico português. Vive em Xangai

Peço-lhe por favor que faça aquilo que tem que ser feito já para se poder tentar evitar tragédias semelhantes. Feche tudo o que é espaço comercial, à excepção de supermercados e farmácias. Os restaurantes podem aceitar encomendas para fora mas devem permanecer fechados. Feche tudo o que é espaço público inclusive jardins, praias e igrejas. Insista no isolamento social mas diga aos portugueses o que é que significa; diga que quer dizer que todos devem ficar em casa e que só quem reside na habitação é que pode a ela acesso. Na realidade, tudo deve ficar fechado para além do que já referi. O única coisa que deve permanecer aberta são obviamente os Hospitais, os serviços de segurança, Bombeiros e outros serviços que sejam necessários manter como apoio ao combate do Covid19.

Comece diariamente a desinfectar ruas durante a madrugada, transportes públicos, caixas de multibanco e tudo o que existe no espaço público onde as pessoas possam tocar. Aconcelhe os condomínios de apartamentos a fazer o mesmo nas entradas dos prédios e elevadores: os botões dos elevadores devem ser desinfectados pelo menos de hora a hora. O mesmo para todos os edifícios com elevador. Veja os exemplos dos países asiáticos. Existem estudos que apontam que o vírus pode, em certos casos, permanecer em superfícies até 9 dias. 

A manter as fronteiras abertas exige-se que todos os oriundos de países com mais de 200 casos sejam obrigados a estar de quarentena durante 21 dias. Crie protocolos com um reduzido número de hóteis para esse efeito. Todos os outros hotéis devem também ser fechados. Devem ser impostas medições de temperatura em todas as estações de metro e em todos os autocarros. Medições de temperatura em todos os voos e todos os comboios, bem como nos aeroportos e estações de caminho de ferro; check up médico em todas as entradas no país com kits de teste para que se possa logo saber mais. Medições de temperatura em todos os edifícios públicos que tiverem que ficar a funcionar para dar apoio em permanência a toda esta situação.

Crie uma comissão de estudo de epidemias independente do Serviço Nacional de Saúde para que Portugal possa estar melhor preparado para uma possível próxima epidemia. Disponibilize meios técnicos e tecnológicos para esta comissão poder desenvolver já aplicações dedicadas ao tracking de casos e para que cada utilizador possa saber qual a rua mais afectada e poder evitar essa rua e para que o utilizador saiba se na viagem de comboio ou camionete que fez surgiu algum caso. Tem que investir muito mais na detecção de todos os contactos dos infectados, mapeando as cadeias de transmissão. Disponibilize meios científicos para que esta comissão possa também ela investigar mais sobre este vírus, sobre o qual ainda sabemos tão pouco. 

Disponibilize máscaras, não alimente a lenga-lenga que elas só servem para quem já está infectado; tem que partir do principio que estão todos infectados visto que os casos assintomáticos são transmissíveis. Não facilite. As máscaras devem ser racionadas a um número por pessoa monitorizado através do cartão de cidadão. Pessoas em quarentena têm que ser monitorizados através do telemóvel e sujeitos a multa se não respeitarem a interdição de movimentos. Decrete o uso obrigatório de máscara em transportes públicos.

Finalmente, por agora, peço-lhe mais uma coisa. Passe a ser sua excelência a falar aos portugueses diariamente. O Sr. Primeiro Ministro oferece mais confiança e estamos em situação de emergência de saúde pública. Os portugueses merecem melhor do que aquilo a que temos assistido. É necessário que se sinta o Governo empenhado nesta batalha em vez de adiar os problemas que é o que tem acontecido. Por outro lado é também óbvio que as duas pessoas que mais têm comunicado ao país diariamente – a ministra da Saúde, Marta Temido, e a Directora-geral da DGS, Graça Freitas – estão neste momento em total descrédito, seja pelo total desconhecimento que foram demonstrando ter sobre o Covid19 seja pelo modo como agora trocam as mãos pelos pés e se atropelam.

Muito obrigado pela sua atenção.

Força Portugal!!!

(José Drummond, artista plástico português, reside em Xangai, onde testemunhou ao longo das últimas semanas a “fantasmização” – phantomisierung – da capital económica da China perante a ameaça do novo coronavírus.)

1 Comment

  1. Serenidade. Portugal não vai implementar muita coisa porque somos pobres e temos de seguir estrictamente as recomendações da OMS e agora já talhadas para acalmar o mundo pobre (não é pobre mundo). Não vamos ter muitos casos porque vamos suprimir 80% deles como aconselhou a já actualizada OMS após tantos estudos noutros países, de que é suficiente estes doentes ficarem em casa isolados com paracetamol (verdadeiro, não precisam de mais nada mesmo, acredita!) e que faz bem a todos e a tudo. Só quem respira mal, vá lá, aparece no Hospital mas já sabe que a fila é para o além.

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.