O fim do pesadelo. Portugueses repatriados de Wuhan vão hoje para casa

Os cidadãos portugueses que foram repatriados da República Popular da China no início do mês terminam este sábado o isolamento voluntário a que se submeteram no Hospital Pulido Valente, em Lisboa, uma vez que as análises feitas “durante a manhã” de sexta-feira foram “todas negativas”, informou em comunicado a Direcção-Geral da Saúde (DGS).

“Os cidadãos repatriados na sequência do surto de doença respiratória aguda por novo coronavírus (Covid-19) foram na sexta-feira testados pela segunda vez, durante a manhã”, explicita a nota emitida pela DGS, acrescentando que as análises laboratoriais, “com duas amostras biológicas, foram todas negativas”.

Por isso, os 18 portugueses e duas brasileiras “terminam amanhã [sábado] o período de isolamento profilático voluntário de 14 dias”, prossegue o comunicado.

Os 20 cidadãos repatriados vieram da República Popular da China e chegaram a Lisboa a 2 de Fevereiro.

As primeiras análises deram negativo e a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, disse à agência Lusa que uma equipa do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge estaria pelas 09:30 de sexta-feira no Pulido Valente, para fazer uma nova recolha de amostras respiratórias.

Desde o início do mês que os 20 cidadãos estão instalados no Hospital Pulido Valente (Centro Hospitalar de Lisboa Norte), num isolamento voluntário que tem, essencialmente, carácter preventivo. O surto do coronavírus Covid-19 provocou 1.383 mortos e infectou cerca de 65 mil pessoas a nível mundial.

A maioria dos casos ocorreu na China, onde a epidemia foi detectada no final do mês de Dezembro.

Em Portugal, houve sete casos suspeitos de infecção, mas foram todos declarados negativos. Segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças, há 44 casos confirmados na União Europeia e no Reino Unido.

A República Popular da China anunciou uma mudança de critérios na classificação de infectados pelo novo coronavírus, não sendo obrigatório uma análise laboratorial positiva.

Segundo Graça Freitas, esta alteração é “normal e legítima”, uma vez que passa a basear-se em critérios clínicos e em exames radiológicos que confirmem uma pneumonia.

A alteração deste critério permitiu, segundo a directora-geral da Saúde de Portugal, incluir nos infectados, de modo retrospectivo, pessoas doentes e que não chegaram a fazer análise laboratorial.

Por outro lado, pode melhorar a capacidade de tratamento, uma vez que os doentes passam de imediato a receber tratamento, mesmo antes ou sem a confirmação laboratorial.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.