Mulheres que tentaram explodir Notre Dame condenadas a 25 e a 30 anos de prisão

Um tribunal francês condenou nesta segunda-feira a 25 e a 30 anos de prisão as principais integrantes de uma célula jihadista feminina que tentou detonar um carro-bomba diante da catedral de Notre-Dame de Paris. Os acontecimentos pelos quais ambas foram condenadas remontam a 4 de Setembro de 2016.

Inès Madani e Ornella Gilligmann tentaram atear fogo, sem sucesso, a um veículo carregado com botijas de gás na madrugada do dia 4 de Setembro de 2016, numa zona da capital francesa repleta de restaurantes.

Madani e Gilligmann deitaram gasóleo no veículo e tentaram incendiá-lo com um cigarro, mas fracassaram porque o gasóleo é menos inflamável que a gasolina.

Madani foi detida alguns dias mais tarde num subúrbio de Paris com duas supostas cúmplices – Sarah Hervouet e Amel Sakaou – quando as três tentavam fugir do apartamento onde se encontravam escondidas.

Após um breve confronto com a polícia, Hervouet esfaqueou um agente no ombro e Madani foi baleada na perna. Gilligmann, por sua vez, foi detida no sul da França. Sarah Hervouet e Amel Sakou foram condenadas a 20 anos de prisão.

Uma quinta mulher, Samia Chalel, acusada de ajudar Madani a encontrar um esconderijo em Paris, foi condenada a cinco anos de prisão.

O Ministério Público francês acredita que o grupo agiu por ordem de Rachid Kassim, um conhecido activista francês do Estado Islâmico, também suspeito de ordenar o assassinato de um casal de policiais franceses na sua casa em Junho de 2016.

Ao que parece, Kassim morreu num ataque aéreo contra os arredores da cidade iraquiana de Mossul em Fevereiro de 2017. Na sua declaração final no julgamento, Madani disse lamentar as suas acções: “Naquele momento, todos os meus planos incluíam a morte. Hoje, os meu planos são sobre a vida”.

Gilligmann, casada e mãe de três filhos, disse que envergonhou a sua família e pediu perdão às vítimas do terrorismo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.