Myanmar. Refugiados rohingya começam a regressar em Novembro

A novidade foi ontem avançada pelos Executivos de Dhaka e de Nayipyidaw, menos de uma semana depois do chefe da Missão de Investigação da ONU na antiga Birmânia ter afirmado que o genicídio da minoria muçulmana ainda se perpetua. O Bangladesh já terá impulsionado o regresso ao Myanmar de mais de uma centena de refugiados.

O Bangladesh e Myanmar vão impulsionar já a partir de Novembro o regresso dos refugiados rohingyas, menos de uma semana depois de um investigador da ONU ter afirmado que o genocídio contra a minoria muçulmana se perpetua.

Desde Agosto de 2017 que mais de 720.000 rohingyas fugiram à ameaça do exército e de milícias budistas de Myanmar para se refugiarem no vizinho Bangladesh.

Em Novembro de 2017 os dois países anunciaram um plano de retorno, mas o processo ficou num impasse, com cada um a acusar o outro de ser responsável pela situação. Os refugiados recusavam voltar até que a sua segurança e direitos estivessem garantidos.

As autoridades da antiga Birmânia indicaram que nos últimos meses mais de uma centena de refugiados regressou ao país, embora o Bangladesh fosse insistindo que o processo oficial ainda não tinha começado: “Esperamos iniciar o repatriamento até meados de Novembro”, declarou esta terça-feira o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros do Bangladesh, Shahidul Haque, após encontros em Daca entre responsáveis dos dois países: “É a primeira fase”, adiantou.

Do lado do Myanmar, o secretário permanente do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Myint Thu, explicou que as duas partes acordaram um plano “muito concreto” para lançar o processo em Novembro: “Mostrámos a nossa vontade política, flexibilidade e disponibilidade para começar o repatriamento o mais cedo possível”, disse aos jornalistas.

Em Junho, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e o Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD) assinaram com as autoridades birmanesas um acordo para ajudar a criar as condições propícias a um regresso voluntário e seguro das pessoas da minoria muçulmana.

Uma missão da ONU deslocou-se em Setembro ao Estado de Rakhine, a região de Myanmar no noroeste palco da tragédia, para avaliar as condições de um eventual regresso dos rohingyas e deu conta de “uma falta de confiança, medo das comunidades vizinhas e um sentimento de insegurança” em muitos locais.

O presidente da Missão de investigação da ONU em Myanmar, Marzuki Darusman, declarou a 24 de Outubro que se trata de “um genocídio ainda em curso”, antes de apresentar um relatório sobre a crise ao Conselho de Segurança.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.