Sri Lanka. Primeiro-ministro destituído recusa-se a abandonar residência oficial

Ranil Wickremasinghe, que foi destituído na sexta-feira para ser substituído pelo antigo presidente Mahinda Rajapaksa, recusou-se a abandonar a residência oficial do chefe do Governo. O presidente do país, Maithripala Sirisena, também suspendeu o parlamento até 16 de Novembro.

O primeiro-ministro destituído do Sri Lanka, Ranil Wickremasinghe, recusou-se este domingo a abandonar a sua residência oficial, após ser destituído pelo Presidente Maithripala Sirisena, que também suspendeu as funções do Parlmento cingalês.

Sirisena informou Wickremesinghe, na sexta-feira, de que seria substituído pelo ex-Presidente Mahinda Rajapaksa. O Presidente do Sri Lanka suspendeu, no sábado, o parlamento até 16 de Novembro, apesar de o primeiro-ministro que demitiu afirmar ter o apoio da maioria.

Wickremasinghe permanece este domingo na sua residência oficial de “Temple Trees”, segundo comprovou a agência de notícias espanhola EFE, depois do ultimato lançado no sábado pela oposição liderada por Rajapaksa, cuja nomeação criou uma grave crise no país.

O presidente do parlamento, Kary Jayasuriya, expressou a sua preocupação com a suspensão do parlamento até Novembro e apelou ao chefe de Estado que o mais cedo possível permita o retorno das actividades parlamentares, qualificando o momento actual de uma “crise política e constitucional séria”.

A suspensão do parlamento ocorreu enquanto o primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, dava uma conferência de imprensa, na qual afirmava poder provar que tinha apoio maioritário dos deputados.

A Índia referiu que está a seguir de perto a situação no Sri Lanka, mostrando alguma preocupação, partilhada por vários países da União Europeia e pelos Estados Unidos.

Por seu lado, a organização não-governamental para os direitos humanos Human Rights Watch (HRW) afirmou num comunicado que a nomeação de Rajapaksa “suscitou temores sobre o regresso de tácticas abusivas do passado”.

O controverso ex-Presidente Rajapaksa, que governou o país entre 2005 e 2015, foi acusado por muitas organizações de ter fechado os olhos a atropelos graves aos direitos humanos durante a campanha militar para acabar com os rebeldes Tamil em 2009, num conflito que resultou na morte de 40.000 civis.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.