Dois jornalistas espanhóis e um irlandês executados no Burkina Faso

Fotografia: U.S Army Africa/Creative Commons

Os três europeus que desapareceram após um ataque na segunda-feira no leste de Burkina Faso – dois espanhóis e um irlandês – “foram executados por terroristas”, declarou nesta terça-feira (27) à AFP um oficial da segurança local. As autoridades de Madrid confirmaram depois a morte dos espanhóis.

“É muito lamentável, mas os três ocidentais foram executados por terroristas”, disse o oficial.

“As pessoas nas imagens divulgadas por grupos armados foram identificadas como os três ocidentais que estavam desaparecidos desde ontem”, acrescentou.

Em Madrid, o primeiro-ministro Pedro Sanchez confirmou a morte dos dois cidadãos espanhóis: “A pior das notícia foi confirmada. Todo o nosso afecto para as famílias e amigos de David Beriain e Roberto Fraile, assassinados no Burkina Faso”, escreveu Sanchez na sua conta no Twitter, expressando a sua “gratidão a todos aqueles que, como eles, praticam diariamente um jornalismo corajoso e essencial em zonas de conflito”.

Em Dublin, o ministério dos Negócios Estrangeiros afirmou estar “ciente” do desaparecimento de um cidadão irlandês, recusando-se, porém, a “comentar os detalhes de um caso em particular”.

Os dois espanhóis e o irlandês mortos eram “jornalistas que trabalhavam em nome de uma Organização Não Governamental que trabalha pela protecção do meio ambiente”, de acordo com uma fonte da segurança de Burkina Faso.

Em Paris, Christophe Deloire, secretário-geral da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), anunciou no Twitter que “três jornalistas (incluindo dois espanhóis) que investigavam a caça ilegal no Burkina Faso foram mortos durante um ataque no leste do país”. “Esta tragédia confirma os grandes perigos que os repórteres enfrentam no Sahel”, sublinhou.

Na segunda-feira, uma patrulha composta por soldados e guardas florestais do Burkina Faso, acompanhada por instrutores e jornalistas ocidentais, foi atacada no eixo Fada N’Gourma-Pama, no leste de Burkina Faso.

Um cidadão local continua desaparecido após este ataque que também deixou três feridos, mas de acordo com uma fonte da segurança, “trata-se de um agente” dos serviços de segurança “que conhece muito bem a zona da floresta de Pama, perto de Natiaboani, onde ocorreu o ataque”.

O ataque foi realizado por homens armados que viajavam em duas pick-ups e uma dúzia de motocicletas, de acordo com as fontes da segurança. Armas e equipamentos, motocicletas, duas pick-ups e um drone foram levados pelos agressores.

O Burkina Faso, que faz fronteira com o Mali e o Níger, também tem sido vítima regular de ataques de grupos extremistas islâmicos desde 2015.

Concentradas inicialmente no norte do país, na fronteira com o Mali, as atrocidades atribuídas a grupos radicais islâmicos – incluindo o Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos (GSIM) afiliado à Al-Qaeda e o grupo Estado Islâmico no Grande Saara (EIGS) – agora visam a capital e outras regiões, notadamente o leste e o noroeste.

Desde 2015, as acções violentas deixaram mais de 1.200 mortos e mais de um milhão de pessoas deslocadas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.