Preços do petróleo recuperam um ano depois de queda histórica

Fotografia: Brent Pace/Unsplash

Há um ano, os preços do petróleo derraparam para um abismo, afectados pela pandemia e pelas divisões na OPEP+. Desde então, voltaram a subir, impulsionados pelas vacinação e pelas expectativas de recuperação.

A cerca de 65 dólares o barril, o petróleo recuperou o preço a que era transaccionado antes da pandemia e o banco americano Goldman Sachs projecta que vai superar os 80 dólares no Verão pelos “índices favoráveis da demanda nos lugares com forte taxa de vacinação”.

O seu rival Morgan Stanley calcula que o barril de petróleo alcançará os 70 dólares no terceiro trimestre.

“À medida que os meses de Verão se aproximam é razoável esperar que o efeito ‘reabertura’ [da economia] se junte ao aumento sazonal normal” de consumo de petróleo, de acordo com os seus analistas.

Além disso, os fundamentos do mercado de petróleo – a oferta e a demanda – estão agora “mais sólidos” e equilibrados, estima a Agência Internacional da Energia (AIE) nas suas últimas previsões, publicadas na semana passada.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) também se mostrou mais optimista e espera uma recuperação mundial da demanda de petróleo dos 6 milhões de barris diários para 96,5 milhões.

No entanto, há um ano o valor de referência do petróleo nos Estados Unidos estava no vermelho, algo nunca visto antes. Os investidores, presos entre a ausência de compradores e a impossibilidade de comprar mais barris pela falta de espaço disponível, foram obrigados a pagar para se desfazer deles.

“A situação mudou muito desde então”, especialmente após a chegada de várias vacinas contra a Covid-19 que alimentaram a esperança de virar a página da pandemia, diz à AFP Ipek Ozkardeskaya, do Swissquote Bank.

A campanha de vacinação no Reino Unido está em pleno apogeu, assim como nos Estados Unidos, onde o presidente, Joe Biden, revelou um gigantesco plano de recuperação para a maior economia mundial e maior consumidor mundial de petróleo.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) projecta agora um crescimento mundial de 6 por cento em 2021 após a histórica recessão de 2020: “A sensação de que tudo vai bem fez com que o mercado fique muito confiante para enfrentar uma nova crise”, alerta Bjornar Tonhaugen, analista do Rystad.

Uma situação parecida com a de Abril passado “pode acontecer”, adverte Bjarne Schieldrop, analista do SEB.

O próximo encontro de ministros dos países produtores de petróleo está previsto para quarta-feira, mas a OPEP+ decidiu adiantar para esta terça uma reunião do comité de monitorizaçãp do acordo sobre a redução da produção.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.