Human Rights Watch acusa Israel de promover “apartheid”

Fotografia: Josh Appel/Unsplash

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch acusou Israel esta terça-feira de adoptar políticas de apartheid e perseguição contra os palestinianos e contra a sua própria minoria árabe que equivalem a crimes contra a humanidade.

Sediada em Nova York, a Human Rights Watch publicou um relatório de 213 páginas que disse não pretender comparar Israel com a África do Sul dos tempos de apartheid, mas avaliar “quais actos e políticas específicos” constituem apartheid tal como definido na lei internacional.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel rejeitou as acusações, “tanto absurdas quanto falsas”, e acusou a HRW de desenvolver uma “agenda anti-israelita”, dizendo que o grupo tenta “há anos promover boicotes contra Israel”. O presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, saudou o relatório.

Há poucas semanas, o Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou que investigará crimes de guerra na Cisjordânia sob ocupação israelita e na Faixa de Gaza e que os militares de Israel e grupos palestinianos armados, como o Hamas, serão identificados como possíveis perpetradores.

No seu relatório, a HRW destacou as restrições israelitas à circulação de palestinianos e a tomada de terras palestinianas para colonatos judaicos em territórios ocupados desde a Guerra dos Seis Dias de 1967 como exemplos de políticas que disse serem crimes de apartheid e perseguição: “Em todo Israel e (nos territórios palestiniamos), as autoridades israelitas mostram a intenção de manter os palestinianos dominados, exercendo controlo sobre terras e populações em benefício dos judeus isralitas”, diz o relatório.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.