Total confirma suspensão de projecto de gás natural em Moçambique

Fotografia: Hugo Clement/Unsplash

O grupo petroleiro francês Total confirmou esta segunda-feira a suspensão de um gigantesco projecto de gás no nordeste de Moçambique, interrompido após um ataque extremista no início de Abril, alegando num comunicado motivos de “força maior”.

A noção jurídica de “força maior” é evocada quando condições excepcionais impedem a continuidade de uma obra e a execução dos contratos relacionados.

“Dada a evolução da situação de segurança no norte da província de Cabo Delgado em Moçambique, a Total confirma a retirada de todos os funcionários do projecto Moçambique LNG da localidade de Afungi”, anunciou a empresa num comunicado.

“Esta situação leva a Total, como operadora do projecto Moçambique LNG, a declarar motivo de força maior”, completa a nota.

A principal organização empresarial de Moçambique anunciou em 21 de Abril a suspensão dos contratos assinados pelo grupo francês com pelo menos duas empresas de construção.

A Total interrompeu no início de Abril o projecto, no valor de milhares de milhões de dólares, de um enorme complexo de Gás Natural Liquefeito (GNL).

Em 24 de Março, grupos armados atacaram a região da cidade portuária de Palma e mataram dezenas de pessoas. O ataque foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

O projecto de GNL de Moçambique, liderado pela Total dentro de um consórcio, representa um investimento de 24 mil milhões de dólares.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.