China censura vitória histórica de Chloé Zhao

Fotografia: Denise Jans/Unsplash

A cineasta Chloé Zhao, nascida em Pequim, venceu esta segunda-feira o Oscar de melhor filme e melhor realização por “Nomadland”, mas os ecos do seu triunfo não se fazem ouvir nas redes sociais chinesas.

Zhao tornou-se a primeira asiática e segunda mulher a vencer o Oscar na categoria de melhor direção. “Nomadland” é um drama sobre pessoas com poucos recursos que percorrem os Estados Unidos em camionetes.

“Nomadland” também rendeu o Oscar de melhor actriz para Frances McDormand.

Mas todas as publicações recentes com o seu nome e a menção a “Nomadland” desapareceram misteriosamente da rede social Weibo, o Twitter chinês, durante o dia de segunda-feira. A imprensa chinesa mantém também o silêncio sobre a sua vitória.

Inicialmente aclamada pela imprensa estatal pelo sucesso do seu filme, Zhao tornou-se um alvo de ataques de nacionalistas chineses nas redes sociais, que desenterraram entrevistas da realizadora em que ela parece criticar o país natal. Os cinemas chineses também optaram por adiar a estreia do filme.

Chloé Zhao parece ter feito referência aos problemas no discurso em que aceitou o prémio: “Pensei muito recentemente sobre como seguir adiante quando as coisas se tornam difíceis”, disse a realizadora.

Antes da eliminação das publicações, o Weibo estava repleto na manhã de segunda-feira com mensagens que elogiavam Zhao, enquanto outras denunciavam a censura de que tinha sido alvo anteriormente.

Apesar dos esforços da censura de Pequim, nas ruas da capital chinesa era fácil encontrar pessoas orgulhosas com o triunfo de uma cineasta do país na festa do cinema americano: “Ela é o orgulho do povo chinês (…) É muito raro que um chinês receba um Oscar”, declarou à AFP Yan Ying, uma engenheira.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.