Indonésia encontrou submarino desaparecido. Tripulantes estão mortos

Futebol: Nick Agus Arya/Unsplash

A Marinha da Indonésia anunciou este domingo que encontrou o submarino desaparecido que naufragou há quatro dias ao largo da costa de Bali. As autoridades de Jakarta confirmaram a morte dos 53 membros da sua tripulação, após uma busca intensa e desesperada.

O submarino, que tinha desaparecido na última quarta-feira, foi encontrado seccionado em três partes no fundo do mar ao largo da costa de Bali, segundo o chefe do Estado-Maior da Marinha, Yudo Margono. Por sua vez, o comandante das Forças Armadas da Indonésia, Hadi Tjahjanto, confirmou aos jornalistas que “todos os 53 tripulantes do submarino morreram”.

As autoridades disseram que receberam sinais do local a mais de 2.600 pés, qualquer coisa como 800 metros de profundidade na madrugada deste domingo. As autoridades indonésias usaram um veículo de resgate subaquático fornecido por Singapura para obter confirmação visual.

Tjahjanto disse várias partes da embarcação foram descobertas neste domingo, incluindo uma âncora e roupas de segurança usadas pelos membros da tripulação.

Aviões, barcos e centenas de soldados foram mobilizados para localizar o “KRI Nanggala 402”, um submersível de cerca de quarenta anos construído na Alemana e que se encontrava desaparecido na sequência de exercícios militares.

As esperanças de sobrevivência da tripulação já eram consideradas mínimas, pois as reservas de oxigênio do submarino estariam esgotadas.

No sábado, após encontrar destroços e objectos de dentro do submersível, a Marinha admitiu que ele sofreu danos irreparáveis e que teria naufragar. Entre os objectos encontrados, foram recuperados parte de um sistema de torpedo e um frasco de graxa para lubrificar periscópios.

Também foi encontrado um tapete para orações, comum na Indonésia, país que abriga o maior número de muçulmanos do mundo.

O melhor da pátria

O presidente Joko Widodo descreveu os marinheiros desaparecidos como os “melhores patriotas”: “Todos os indonésios expressam a sua profunda tristeza por este acidente, especialmente aos parentes da tripulação do submarino”, acrescentou o presidente.

As autoridades ainda não deram uma explicação oficial sobre o incidente, mas afirmam que o submarino pode ter sofrido uma grande avaria eléctrica que impediu a tripulação de regressar à superfície.

Yudo Margono, chefe da Marinha da Indonésia, tinha descartado, no entanto, uma possível explosão, estimando que o mais provável fosse que o submarino se partiu devido à pressão da água em profundidades superiores a 800 metros, acima do seu limite de resistência: “Os cascos dos submarinos estão pressurizados (…) mas quando se rompem, a água invade o interior”, explicou Wisnu Wardhana, especialista marítimo do Instituto de Tecnologia Sepuluh Nopember da Indonésia.

O vice-almirante francês aposentado Jean-Louis Vichot disse à AFP que o casco de aço do submarino poderia se ter fracturado “como um acordeão” ao atingir profundidades acima de seu limite.

O submarino, um dos cinco pertencentes às Forças Armadas indonésias, submergiu na manhã de quarta-feira durante exercícios militares planeados no norte da ilha de Bali. O contacto com o submersível perdeu-se pouco depois.

Segundo a Marinha, o submarino, entregue à Indonésia em 1981, estava em boas condições de serviço. Este tipo de submarino foi projectado para suportar uma pressão de apenas 300 ou 400 metros de profundidade.

A Indonésia não registou incidentes graves relacionados com os seus submersíveis, mas outros países sofreram acidentes deste tipo.

Uma das tragédias mais conhecidas ocorreu em 2000, quando o submarino nuclear russo “Kursk” afundou enquanto fazia manobras no Mar de Barents com 118 tripulantes a bordo.

Um dos torpedos explodiu, destruindo todo o depósito de munição. Vinte e três marinheiros sobreviveram à explosão, mas morreram porque não foram resgatados a tempo.

Em 2017, o submarino da frota argentina “San Juan”, com 44 tripulantes, desapareceu a cerca de 400 quilómetros da costa argentina. Uma explosão subaquática foi registrada perto de sua última posição.

Em 2019, os restos do submarino Minerva, que naufragou em 1968 com 52 homens a bordo, foram encontrados no Mediterrâneo.

O submersível da Marinha francesa, que realizava manobras a trinta quilómetros da costa de Toulon (sudeste da França), afundou em quatro minutos e desfez-se no fundo do mar por motivos até agora desconhecidos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.