França. Tunisino mata funcionária da polícia perto de Paris

Fotografia: Ev/Unsplash

Um cidadão tunisino esfaqueou e matou uma funcionária administrativa de uma delegacia antes de ser morto em Rambouillet, a sudoeste de Paris, num crime que levou à abertura de uma investigação por terrorismo.

O ataque ocorrido na delegacia de polícia desta rica e geralmente pacífica cidade de 26.000 habitantes a cerca de 60 quilómetros de Paris accionou os alarmes, num país regularmente atingido por ataques islâmicos.

O orgão de combate ao terrorismo assumiu a investigação da morte da funcionária administrativa, de 49 anos, que foi esfaqueada duas vezes na garganta quando regressava ao trabalho, após a interrupção para o almoço por volta das 14h20 locais, de acordo com as primeiras informações sobre o caso.

A vítima, que se chamava Stéphanie e era mãe de dois filhos, ficou gravemente ferida na carótida e morreu pouco depois, apesar da intervenção das equipas de socorro.

O agressor, um cidadão tunisino, gritou “Allah Akbar” (Alá é o maior) enquanto a atacava, de acordo com uma fonte próxima à investigação. O homem foi morto pouco depois por um agente, disse uma fonte policial: “Não cederemos na luta contra o terrorismo islâmico”, prometeu o presidente Emmanuel Macron, numa mensagem postada no Twitter, na qual prestou homenagem à vítima.

O primeiro-ministro Jean Castex, que se deslocou ao local do ataque, denunciou na mesma rede social um “acto bárbaro de crueldade ilimitada” contra “uma heroína da vida quotidiana”.

Um cordão de segurança impediu que curiosos se aproximassem da delegacia, localizada numa área residencial abastada, confirmou um jornalista da AFP.

Onda de ataques

O agressor, Jamel G. de 36 anos, chegou ilegalmente à França em 2009, mas desde então obteve uma autorização de residência, disse uma fonte policial, acrescentando que o homem não tinha antecedentes criminais e tinha acabado de se estabelecer em Rambouillet.

De acordo com as redes sociais, o agressor publicou mensagens durante vários anos em que denunciava a islamofobia. Mas, a partir de Abril de 2020, durante o primeiro confinamento em França devido à pandemia, começou a publicar apenas orações e versos do Alcorão.

Em 24 de Outubro de 2020, oito dias após o assassinato do professor de ensino médio Samuel Paty, decapitado por um homem de 18 anos de origem chechena por mostrar aos seus alunos desenhos animados de Maomé, Jamel G. mudou a sua foto de perfil e juntou-se a uma campanha em que exigia respeito pelo profeta do Islão.

Três pessoas que lhe eram próximas foram detidas na noite desta sexta-feira, disse uma fonte judicial à AFP. A polícia realizou operações na casa do agressor e de uma pessoa que o abrigou quando ele chegou à França em 2009, e que está entre os detidos.

Os últimos anos foram marcados por vários ataques com faca na França. Também em outubro de 2020, três pessoas foram mortas por um tunisino recém-chegado a França, numa igreja na cidade mediterrânea de Nice.

Em Setembro, um paquistanês feriu duas pessoas com uma faca em frente à antiga sede da revista satírica Charlie Hebdo, que publicou caricaturas do profeta Maomé.

Em 3 de Outubro de 2019, nas dependências da sede da polícia de Paris, um empregado matou três policiais e um funcionário administrativo com uma faca, antes de ser morto.

O governo Macron tenta aprovar um projecto de lei que visa fortalecer o arsenal legislativo para combater o islamismo radical na França, mas para os seus críticos o texto estigmatiza os muçulmanos e limita as liberdades.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.