Projecto de vacina contra a malária mostra grande eficácia

Fotografia: Igor Kamelev/Unsplash

Um projecto de vacina contra a malária demonstrou uma eficácia sem precedentes de 77 por cento em testes clínicos na África, anunciando um avanço na luta contra esta doença que mata principalmente crianças, anunciou a Universidade de Oxford na sexta-feira.

A vacina, R21/Matrix-M, é a primeira a atingir a meta de eficácia de 75 por cento definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de acordo com a universidade, que colabora no seu desenvolvimento com a farmacêutica americana Novavax.

Publicados na revista científica The Lancet, “esses novos resultados dão grande esperança sobre o potencial dessa vacina”, comentou num comunicado o professor Adrian Hill, director do Instituto Jenner em Oxford, que também desenvolveu a vacina contra a Covid-19 com AstraZeneca.

O soro, que pode ser aprovado para uso em dois anos, dá esperança diante dos temores de que a malária se torne resistente aos tratamentos.

A doença parasitária transmitida por mosquitos matou mais de 400.000 pessoas em todo o mundo em 2019, dois terços delas com menos de cinco anos. A grande maioria dos casos (94 por cento dos 229 milhões de infecções no mundo) e mortes ocorrem na África, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

De acordo com um ensaio clínico de fase dois de 2019 com 450 crianças de 5 a 17 meses no Burkina Faso, a vacina da Universidade de Oxford foi 77 por cento eficaz nas que receberam uma dose alta e 71 por cento nas que receberam uma dose mais baixa.

Efeitos colaterais graves não foram observados. Mais 4.800 crianças já começaram a ser recrutadas em quatro países africanos para a fase final dos ensaios clínicos.

A vacina pode ser fabricada em grande escala e com baixo custo, de acordo com os seus criadores. Uma parceria com o Serum Institute of India (SII), que também produz a vacina contra o coronavírus da Oxford / AstraZeneca, permitirá que “pelo menos 200 milhões de doses sejam fabricadas anualmente nos próximos anos”, segundo Hill.

Outra vacina, desenvolvida pela gigante britânica GSK, foi administrada a cerca de 650.000 crianças desde 2019 no Malawi, no Gana e Quénia como parte de um programa piloto da Organização Mundial de Saúde.

No entanto, esta é menos eficaz, prevenindo 4 em cada 10 casos de malária e 3 em cada 10 casos de malária grave com risco de vida.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.