Hong Kong. Jornalista condenada por investigar base de dados pública

Fotografia: Joseph Chan/Unsplash

Uma jornalista de Hong Kong foi condenada na quinta-feira, 22 de Abril, por investigar numa base de dados pública os supostos autores de um ataque contra activistas pró-democracia alegadamente perpetrado por apoiantes do governo.

A condenação de Bao Choy – jornalista do RTHK, grupo audiovisual financiado pelo governo de Hong Kong e responsável pelo serviço público de radiodifusão –  ocorre num momento em que alguns consideram que a liberdade de imprensa está seriamente ameaçada na antiga colónia britânica, no rescaldo da ofensiva contra a oposição desferida pelo Governo central chinês na sequência dos  gigantescos protestos pró-democracia de 2019.

Choy, de 37 anos, foi condenada por um tribunal por fazer “uma declaração falsa deliberadamente”, para conseguir aceder aos registos de placas de automóveis: “A população não tem o direito de obter qualquer documento sob esta legislação”, disse a juíza Ivy Chui.

A jornalista está sujeita a uma pena de prisão de seis meses e uma multa de 5.000 dólares de Hong Kong (530 euros, quase 640 dólares americanos).

Colegas e membros do sindicato de trabalhadores de RTHK manifestaram-se em frente ao tribunal, erguendo cartazes que diziam: “O jornalismo não é um crime” e “Quem quer que a população se mantenha na ignorância?”.

“Apesar de ter sido declarada culpada, continuo a acreditar que o jornalismo não é um crime e que investigar um arquivo não é um crime”, disse a jornalista aos colegas.

A investigação nesta base de dados foi realizada no ano passado à procura de elementos para um documentário do RTHK, “Who Owns The Truth?” (“quem é o dono da verdade?”, em tradução livre), que fala sobre um ataque realizado em Julho de 2019 contra manifestantes pró-democracia por homens armados com tacos de beisebol.

A polícia demorou para intervir e, posteriormente, tentou justificar-se.

Para a reconstituição dos factos, a RTHK recolheu depoimentos, investigou as matrículas de veículos e assistiu a vídeos de testemunhas e câmaras de vigilância.

Isso permitiu obter informação sobre os supostos agressores, alguns dos quais mantêm vínculos com comissões políticas pró-Pequim.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.