Japão. Osaka quer o regresso do estado de emergência

Fotografia: Pablo Stanic/Unsplash

A prefeitura de Osaka, no sul do Japão, pediu esta terça-feira ao governo japonês a adopção de um novo estado de emergência devido ao aumento de contágios por Covid-19, informaram as autoridades locais.

“Acredito que é o momento de tomar medidas enérgicas durante um curto período de tempo”, afirmou o governador de Osaka, Hirofumi Yoshimura, à imprensa.

“O fluxo de pessoas e o ritmo acelerado das variantes estão a provocar ondas de contágios”, advertiu Yoshimura, que pediu o encerramento de centros comerciais, parques de diversões e grandes lojas.

Yoshimura também pediu à população que recorra ao teletrabalho ao afirmar que, caso contrário, “não poderemos travar o fluxo de pessoas” infectadas.

Actualmente, Osaka impõe o encerramento de restaurantes e bares às 20H00.

Yoshimura anunciou que pediu ao ministro que supervisiona a resposta ao coronavírus, Yasutoshi Nishimura, que aplique um novo estado de emergência, pois as medidas adoptadas até agora “não são suficientes”.

O pedido formal de Osaka passará pelos trâmites formais durante a tarde e provavelmente será aprovado à noite.

Osaka é o segundo município mais populoso do Japão, com mais de oito milhões de habitantes.

Tóquio e outras áreas também devem adoptar medidas com a esperança de evitar a crise que afecta o sistema de saúde de Osaka, onde não há mais camas disponíveis para pacientes com Covid-19 em estado grave.

No início do mês, Osaka proibiu o percurso da tocha olímpica nas ruas da cidade e organizou uma cerimónia  num parque sem espectadores.

O aumento dos contágios acontece a pouco mais de três meses do início dos Jogos Olímpicos de Tóquio, adiados no ano passado devido à pandemia.

O Japão decretou estado de emergência sanitário pelo coronavírus no início de Janeiro e suspendeu a medida no dia 1 de Março em Osaka, e três semanas depois em Tóquio.

As novas variantes do vírus, no entanto, provocaram um aumento no número de infecções e a campanha de vacinação acontece a um ritmo lento.

Até o momento, o Japão aprovou apenas a vacina da Pfizer, destinada por enquanto a profissionais da saúde e iodos.

Apenas 25 por cento dos 4,8 milhões de profissionais da saúde e pouco mais de 13.000 idosos receberam a primeira dose da vacina.

O governo do Japão afirma que terá doses suficientes de vacinas em Setembro para imunizar todas as pessoas com mais de 16 anos no país, que tem 125 milhões de habitantes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.