Macau. Serviços de Saúde negam ocultação de reacção adversa em cidadão português

Fotografia: Macau Photo Agency/Unsplash

A Direcção dos Serviços de Saúde assegurou na última noite, num breve comunicado, que não houve se registou qualquer tipo de “ocultação de um caso de reacção adversa grave após a inoculação de uma vacina” envolvendo um residente de nacionalidade portuguesa.

O organismo agora liderado por Alvis Lo sustenta, na nota de imprensa, os sintomas que foram registados não estão relacionados com a administração da vacina, mas sim com uma “infecção viral grave”.

O caso, que remonta a 28 de Março, foi tornado público devido ao que a Direcção dos Serviços de Saúde qualifica como uma série de “rumores nas rede sociais”. Os sintomas adversos que se manifestaram são consentâneos com a administração de vacinas contra a Covid-19, mas o organismo assegura que a vacina não esteve na origem dos problemas.

O homem tomou a segunda dose da vacina da Sinopharm a 11 de Março e os sintomas adversos manifestaram-a se 28 de Março. Dois dias depois, a 30 de Março, o cidadão português dirigiu-se ao hospital, tendo o médico que o atendeu preenchido a notificação relativa à manifestação de reacções adversas na sequência da vacinação.

Após uma análise, a Direcção dos Serviços de Saúde concluiu que as reacção adversas não correspondiam a uma alergia à vacina. O organismo considerou ainda os efeitos de que padeceu o individuo como ligeiros, razão pela qual não emitiram “nenhum esclarecimento especial para esse efeito”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.