China com crescimento económico recorde no primeiro trimestre

Fotografia: Vince Russell/Unsplash

Um crescimento recorde, mas uma recuperação desigual. O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 18,3 por cento no primeiro trimestre quando comparado com o período homólogo do ano passado, um valor que deve ser relativizado porque as actividades económicas foram paralisadas no início do ano passado pela pandemia.

Há um ano, o Produto Interno Bruto da China registou uma queda de 6,8 por cento no primeiro trimestre, o pior resultado económico registado num período de 44 anos pela maior economia da Ásia.

A melhora progressiva das condições sanitárias a partir da Primavera de 2020 permitiu que a economia chinesa recuperasse para os níveis pré-pandémicos no final do ano passado.

O país foi um dos poucos que registou crescimento em 2020 (+2,3 por cento ): “De modo geral, a recuperação prosseguiu no primeiro trimestre”, afirmou a porta-voz do Gabinete Nacional de Estatísticas, Liu Aihua.

O nível registado é um recorde desde o início da publicação dos resultados trimestrais do Produto Interno Bruto da China, em 1992.

A forte aceleração do Produto Interno Bruto da China era previsível. Um painel de analistas consultado pela AFP projectou um resultado ainda maior, da ordem dos 18,7 por cento: “As bases da recuperação devem ser consolidadas”, advertiu Liu, em referência às “incertezas” persistentes no mundo pela pandemia.

Os bons resultados devem-se principalmente à base de comparação com o início de 2020, quando a economia chinesas esteve paralisada pelo vírus, admitiu Liu.

Os dados de crescimento “não fornecem informações sobre a dinâmica actual da economia”, adverte o analista Julian Evans-Pritchard da consultora Capital Economics.

Apesar das precauções, o resultado oficial do PIB da China provoca muito interesse pelo peso do país na economia global: “As exportações foram o principal motor do crescimento no primeiro trimestre”, em particular de produtos electrónicos (para teletrabalho) e de equipamentos médicos para os Estados Unidos da América e para a União Europeia, explicou à AFP o economista Rajiv Biswas, do IHS Markit.

Em Março, as exportações chinesas permaneceram sólidas (+30,6 por cento em termos anuais), quando grande parte do mundo ainda estava muito afectado pela pandemia: “Mas a recuperação continua a ser desigual, com o consumo das famílias em queda devido ao desemprego”, destacou recentemente o analista Qu Hongbin, do banco HSBC.

As vendas no sector do retalho, principal indicador do consumo, subiram 34,2 por cento até ao final de Março, contra 33,8 por cento no período compreendido entre Janeiro e Fevereiro.

Mas alguns sectores enfrentam dificuldades para retomar o nível pré-pandemia, como os transportes aéreos e ferroviário, que alcançam 60 por cento no máximo das suas capacidades.

Fotografia incompleta

“A recuperação total do consumo das famílias depende da campanha de vacinação e de uma melhoria do mercado de trabalho”, afirmou o analista da Oxford Economics Louis Kuijs.

A taxa de desemprego, calculada apenas para as zonas urbanas, foi de 5,3 por cento em Março, depois de atingir o máximo histórico de 6,2 por cento em Fevereiro de 2020 devido à pandemia.

Mas o quadro está incompleto: o desemprego não leva em consideração os quase 300 milhões de trabalhadores de origem rural, que foram muito afectados no ano passado pela epidemia.

A produção industrial chinesa progrediu em Março 14,1 por cento em termos anuais, contra 35,1 por cento em Janeiro

Os investimentos em capital fixo registraram crescimento de 25,6 por cento desde o início do ano e até Março.

Recuperada do impacto da pandemia, a China projecta um crescimento de pelo menos 6 por cento este ano, dado mais modesto que as previsões dos economistas).

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê um aumento de 8,4 por cento do PIB da segunda maior economia mundial.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.