Governo apresenta nova versão de plano de incentivo ao consumo

Fotografia: Macau Photo Agency/Unsplash

O governo fez marcha atrás no plano de incentivo ao consumo através de plataformas de pagamento electrónico, depois da medida ter suscitado críticas de todos os quadrantes do espectro político do território e esta segunda-feira apresentou um novo modelo de fomento do consumo privado.

Ao abrigo do “projecto de melhoramento do plano de benefícios do consumo por meios electrónicos”, o Executivo liderado por Ho Iat Seng anunciou hoje que vai voltar a atribuir um subsídio de cinco mil patacas através de cartão, a que acresce um montante de três mil patacas, atribuído em descontors imediatos.

O plano de incentivo ao consumo esta segunda-feira apresentado enterra o plano anunciado em Março pelo Secretário para a Economia e Finanças que previa uma ronda de apoios ao consumo “integralmente atribuída através de cupões” de desconto. A iniciativa, que abarcava também os trabalhadores não residentes, mas que pressupunha gastos pessoas da ordem das 14 700 patacas, foi acolhida de forma crítca pela população

Agora, cada residente – permanente ou não permanente e de todas as idades –  vai ter acesso àqueles dois montantes, para usar entre Junho e Dezembro. A iniciativa visa “promover o consumo” e “aliviar as dificuldades da população”, depois de ouvidas “diversas opiniões da sociedade”, explicou o secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, numa conferência de imprensa realizada esta manhã.

O novo plano tem um orçamento total de 5,88 mil milhões de patacas, vai abranger 735.816 pessoas e, a exemplo do que sucedeu no ano passado, o subsídio de cinco mil patacas atribuído em cartão pressupõe um limite máximo diário de 300 patacas.

Já as três mil patacas permitem obter um desconto imediato de 25 por cento, podendo os dois montantes ser usados cumulativamente, acrescentou o responsável.

Com o limite máximo diário de 300 patacas, do subsídio, e um desconto imediato de 100 patacas (dez euros) é possível adquirir produtos e serviços no valor de 400 patacas de forma gratuita, indicou o director dos Serviços de Economia, Tai Kin Yip.

As incrições para a obtenção do cartão vão decorrer entre Maio e Dezembro, através da Autoridade Monetária de Macau (AMCM), devendo os residentes escolher um meio de pagamento móvel, através do telemóvel, ou o cartão de consumo electrónico, lançado no ano passado durante as primeiras duas rondas de subsídios à população.

Em relação aos residentes menores, os benefícios poderão ser solicitados pelos pais. Este plano não inclui os trabalhadores não residentes, cuja permanência no território está dependente de um contrato de trabalho válido.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.