“Cidade dos artesãos” de Luxor é um portento arqueológico

Fotografia: Zawi Hawass Center of Egyptology

Oficinas, fornos, paredes de tijolos, pedaços de cerâmica e joias: a cidade dos artesãos ligados ao Rei Amenófis III descoberta nas imediações de Luxor, com mais de 3.000 anos, foi apresentada à imprensa neste sábado pelas autoridades egípcias, ávidas por relançar o país como um destino cultural.

“Encontramos apenas parte da cidade”, disse à AFP Zahi Hawass, arqueólogo e antigo-ministro das Antiguidades na manhã deste sábado no meio das ruínas da antiga cidade, localizada na margem oeste do Nilo, mas imediações de Luxor, no sul do país.

De acordo com o arqueólogo, “a cidade estende-se para oeste e para norte”.

As escavações na cidade, que permaneceu soterrada debaixo de uma densa camada de areia durante vários milénios deverão continuarão durante mais alguns anos, afirma o Hawass, que lidera as esvacações desde Setembro de 2020.

Uma série de paredes de tijolos de barro, assim como ruas que passam entre as construções, são hoje perfeitamente visíveis no local: “Encontramos três bairros principais: um para a administração, um dormitório para os trabalhadores e outro para a indústria”, informou, antes de acrescentar que outro local estava reservado para a produção de carne seca.

Entre outras descobertas, Hawass falou sobre “um local de costura, de confecção de sandálias”, assim como “moldes para amuletos” e pequenas estátuas.

Os arqueólogos também encontraram um “grande peixe coberto de ouro” que talvez fosse reverenciado, de acordo com Hawass. De acordo com o arqueólogo, habituado à hipérboles, é a “descoberta mais importante desde o túmulo de Tutankhamon”, em 1922.

Às vezes acusado pelos seus pares de ser um empresário megalomaníaco e sem rigor científico, Hawass defende-se, expondo as suas descobertas arqueológicas anteriores, que considera “importantes”.

Por sua vez, José Galan, chefe da missão espanhola Dra Abu el Naga, situado nas imediações do local onde foi descoberta a antiga cidade, reconhece que se trata de uma “descoberta fantástica”: “Estamos mais acostumados a descobertas relacionadas com templos e túmulos  (…) e não tanto ligadas a instalações de uso quotidiano”, comenta o arqueólogo espanhol.

Porém, segundo ele, as descobertas devem ser analisadas: “É muito cedo para tirar conclusões”, ressalta. Segundo os arqueólogos, a cidade descoberta data do rei Amenófis III, que ascendeu ao trono em 1.391 a.C., e cujo palácio está localizado nas proximidades.

O local teve a oportunidade de ser datado graças a selos colocados sobre as cerâmicas. A cidade também está ligada ao Deus Aton: “Não é apenas uma cidade, também podemos ver actividades económicas, oficinas, fornos”, acrescentou Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Geral de Antiguidades do Egipto.

A descoberta foi anunciada quinta-feira na quinta-feira passada.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.