Caraíbas. Erupção do La Soufriere lança o caos em São Vicente

Fotografia: D-Stanley/Creative Commons

Um vulcão que permeneceu inactivo durante quatro décadas entrou em erupção esta sexta-feira em São Vicente, escurecendo os céus na parte norte desta ilha caribenha e obrigando milhares de residentes a retirarem-se para se conseguir salvar.

A explosão de La Soufriere, o pico mais alto de São Vicente e das Granadinas, lançou cinzas quentes e uma coluna de fumo a 6.000 metros de altura, informou a agência local de gestão de emergências.

Um vídeo publicado no site news784.com mostrava uma nuvem de fumo que se expandia em forma de círculo enquanto subia. Não há informações relativas a mortos e feridos: “Por favor, abandonem a área vermelha imediatamente. La Soufriere entrou em erupção. Há registos de queda de cinzas até o aeroporto internacional de Argyle”, disse a Organização Nacional de Gestão de Emergências.

O aeroporto e o vulcão estão em extremos opostos da ilha, de cerca de 29 quilómetros de comprimento.

O La Soufriere, de mais de 1.200 metros de altura, não entrava em erupção desde 1979 e sua maior explosão ocorreu há mais de um século, matando mais de 1.000 pessoas em 1902. Estava há meses a ameaçar entrar em erupção.

O primeiro-ministro Ralph Gonsalves começou a emitir ordens de evacuação na quinta-feira para os moradores das chamadas áreas vermelhas, onde vivem cerca de 16.000 pessoas na maior ilha do arquipélago. A população total da cadeia de ilhas é de aproximadamente 100.000 pessoas: “É fortemente recomendado às pessoas que vivem nas ‘áreas vermelhas’ que peguem nos seus pertences, protejam as suas casas e animais e estejam preparadas para serem retiradas de lá imediatamente”, anunciou a polícia num comunicado após a erupção.

A Royal Caribbean International e a Celebrity Cruises disseram num comunicado de imprensa que estavam a enviar dois navios para ajudar nas tarefas de evacuação.  Gonsalves disse que outros dois navios da empresa de cruzeiros Carnival também estão a caminho.

Os moradores evacuados serão transportados para abrigos noutros lugares da cadeia de ilhas ou para outros territórios das Caraíbas que ofereceram assistência, como Barbados e Santa Luzia, segundo a mídia local.

Philmore Mullin, director do Gabinete Nacional de Serviços de Desastres de Antigua e Barbuda, disse à AFP que o país está pronto para receber os moradores de São Vicente.

Mullin afirmou que entre 12.000 e 15.000 pessoas já foram retiradas das áreas de maior risco: “Sei com certeza que vão ficar muito assustados. A pergunta é: o que vai acontecer depois que saírem de lá? Os vulcões não te avisam sobre aquilo em que estão a pensar “, explicou Mullin. “Se a erupção continuar por muito tempo, a vida deles vai mudar. E, dependendo do tipo de erupção, é possível que só possam voltar para casa daqui a alguns anos”, acrescentou.

A Real Força Policial de São Vicente e das Granadinas (RSVGPF) disse num comunicado, citado pelo portal de notícias local Searchlight, que ordenou que todos os oficiais se apresentassem ao trabalho imediatamente: “Todos os membros da (RSVGPF) e as suas forças auxiliares que se encontram actualmente de férias foram informados que todas as licenças foram canceladas com efeito imediato”, dizia o comunicado.

As sirenes soaram em um lado da ilha enquanto o tráfego se engarrafava do outro devido à pressa dos habitantes para escapar, informou o portal Searchlight.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.