Descoberta “a maior cidade antiga do Egipto”

Fotografia: Ministério das Antiguidades do Egipto

Uma missão arqueológica egípcia descobriu a “maior cidade antiga do Egipto”, uma urbe com mais de 3.000 anos, nas imediações de Luxor.  O famoso egiptólogo Zahi Hawass anunciou a descoberta desta “cidade dourada perdida, perto do lendário Vale dos Reis.

“A missão arqueológica […] descobriu uma cidade enterrada que data do reinado do rei Amenófis III e que continuou a ser usada pelo rei Tutankhamon, ou seja, há 3.000 anos”, disse a missão arqueológica num comunicado divulgado na quinta-feira.

Amenófis III, que ascendeu ao trono em 1.391 a.C., morreu em 1.353 a.C.. Na cidade, foram encontrados objectos, como jóias e peças de cerâmica com o seu selo, que permitiram datar o sítio arqueológico, diz a nota. É “a maior cidade antiga do Egipto”, segundo Hawass, que é citado na nota de imprensa.

A missão iniciou as escavações em Setembro de 2020 entre os templos de Ramsés III e Amenófis III, perto de Luxor.

Betsy Bryan, professora de arte e arqueologia egípcia na Universidade Johns Hopkins, disse que a descoberta foi a “segunda descoberta arqueológica mais importante desde o túmulo de Tutankhamon” há quase um século, de acordo com o comunicado.

Joias, potes de cerâmica colorida, amuletos com a forma de besouros e tijolos de barro com os selos de Amenófis III apareceram nas escavações: “Muitas missões estrangeiras procuraram esta cidade e nunca a encontraram”, disse Hawass, anitgo ministro das Antiguidades do Egipto.”Em algumas semanas, para grande surpresa da equipa, as formações de adobe começaram a aparecer”, relata o comunicado. “O que desenterraram foi o local de uma grande cidade em bom estado de conservação, com paredes quase inteiras e cómodos cheios de ferramentas da vida quotidiana”, completa o texto.

Ao fim de sete meses de escavações, vários bairros foram descobertos, incluindo uma padaria com fornos e cerâmica de armazenamento, assim como bairros administrativos e residenciais.

Amenófis III herdou um império que se estendia do rio Eufrates, nos actuais Iraque e Síria, até ao Sudão, e morreu por volta de 1354 a.C., de acordo com especialistas em egiptologia.

Governou por quase quatro décadas, um reinado conhecido pela sua opulência e pela grandeza de seus monumentos, incluindo os colossos de Memnón, duas enormes estátuas de pedra perto de Luxor que o retratavam a ele e à sua esposa.

“As camadas arqueológicas permaneceram intactas por milhares de anos, deixadas pelos antigos residentes como se fosse ontem”, celebra o comunicado da equipa de arqueólogos.

Bryan afirma que a cidade permitirá  “oferecer uma visão geral incomum da vida dos antigos egípcios durante as horas mais luxuosas do Império [Novo]”.

A equipa mostrou-se optimista quanto à possibilidade de que apareçam mais descobertas importantes, acrescentando que foram encontrados grupos de túmulos, aos quais se chegava através de “escadas esculpidas na rocha”. Trata-se de uma construção similar às encontradas no Vale dos Reis: “A missão espera descobrir tumbas intactas cheias de tesouros”, acrescentou o comunicado.

Depois de anos de instabilidade política após a revolta da chamada Primavera Árabe de 2011, um duro golpe para a indústria turística egípcia, o país tenta recuperar as hordas de turistas . A promoção do seu património antigo é um dos caminhos.

Na semana passada, o Egipto transportou os restos mortais mumificados de 18 antigos reis e quatro rainhas pelo Cairo, do emblemático Museu Egípcio para o novo Museu Nacional da Civilização Egípcia, num cortejo denominado “Desfile Dourado dos Faraós”. Entre os 22 corpos estavam os de Amenófis III e de sua mulher, a rainha Tiy.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.