China. Recompensas para acelerar processo de vacinação

Fotografia: Mufij Majnun/Unsplash

Com o propósito de acelerar a campanha de vacinação contra a Covid-19, as autoridades chinesas combinam recompensa e pressão. O Governo está a oferecer ovos frescos em troca de uma vacina e a tentar convencer quem acha que a vacina não é necessária.

A República Popular da China, o primeiro país a ser afectado pelo coronavírus, mas também o primeiro a conseguir superar a pandemia, luta para convencer a sua população a vacinar-se o mais rápido possível.

O país mais populoso do mundo já administrou 140 milhões de doses (a maioria das vacinas disponíveis requer duas doses), o que equivale a 10 por cento da sua população.

O governo estabeleceu a meta de vacinar 40 por cento dos chineses  até ao final de Junho.

Como a vida voltou ao normal na República Popular da China, onde apenas algumas infecções são anunciadas diariamente, muitos chineses não consideram que a vacinação seja algo urgente.

Perante esta apatia, as autoridades regionais e locais apostam na imaginação para atrair os chineses.

Daxing, um subúrbio de Pequim, oferece vouchers de compra para as pessoas quando elas aplicam a segunda dose.

Num outro bairro, as autoridades prometem cestas de ovos para pessoas com mais de 60 anos que apresentarem o certificado de vacinação.

Outros ganham bilhetes para visitar o Templo Yonghe, um famoso local budista da capital, cuja entrada normalmente custa o equivalente a dois dólares e oitenta cêntimos.

As únicas vacinas disponíveis na China são fabricadas localmente, com taxas de eficácia que variam entre os 50 e os 80 por cento.

Os chineses desconfiam das vacinas devido ao facto de que nos últimos anos ocorreram vários escândalos com fármacos adulterados. No entanto, aos poucos, a campanha de vacinação ganha força e há longas filas de espera em frente a centros médicos, como no distrito de Chaoyang, em Pequim: “Hesitei em fazê-lo porque era algo novo, mas agora há cada vez mais pessoas vacinadas”, diz, resignado, o jovem Zhang, pouco antes de receber a injeção.

No bairro de Xicheng, no centro de Pequim, as entradas dos edifícios exibem um painel colorido que especifica a percentagem de residentes ou funcionários vacinados.

O painel verde significa que 80 por cento dos residentes foram vacinados, o amarelo indica que a taxa de vacinação está entre 40 e 80 por cento e o vermelho indica que a taxa de vacinação é inferior a 40 por cento: “Parece um pouco estranho para mim”, diz Wang Ying, cujo café tem uma placa vermelha. “Achava que a vacinação era opcional, mas agora parece que todos devem ser vacinados”, comenta.

Uma funcionária do café admite que duvida da segurança das vacinas disponíveis, mas que, a exemplo do que sucede com as suas colegas, acabará  por se vacinar:  “Em bares e restaurantes, isso vai tranquilizar os clientes”, aposta.

O governo afirma que a vacinação é voluntária, mas em alguns casos a possibilidade de recusa parece inexistente.

Na fronteira com Mianmar, a pequena aldeia de Ruili (sudeste) decidiu vacinar toda a população em cinco dias, após a descoberta de um caso de Covid-19 na semana passada.

As autoridades não esclareceram se é possível ou não recusar a vacina.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.