Alpha Dog, o cão robot que encanta a China

Fotografia: Weilan

Rápido e obediente, não late nem morde e, em particular, nunca urina e não deixa surpresas desagradáveis pelo chão. O cão-robot AlphaDog combina duas das maiores paixões dos chineses: animais de estimação e tecnologia.

Equipado com sensores de detecção de movimento,  o Alpha Doga funciona graças à inteligência artificial, que permite que a mascote “ouça” e “veja” ao seu redor.

Embora nem tenha cabeça nem cauda, “é como um animal de verdade”, assegura Ma Jie, directora de tecnologia da empresa Weilan, com sede em Nanquim. A empresa da capital da província de Jiangsu, no leste da República Popular da China, foi quem idealizou o protótipo.

Com velocidade máxima de 15 quilómetros por hora, a empresa sustenta que AlphaDog é o robot mais rápido do mercado. As quatro patas metálicas conferem-lhe maior estabilidade do que um cachorro, explicam os responsáveis pelo concepção, que não se coibem de pontapear a mascote para demonstrar a estabilidade do produto.

O robot caminha livremente no seu ambiente utilizando internet móvel 5G, com um tempo de resposta ultrarrápido: “O Alpha Dog detecta o atrito e o nível de inclinação do solo para ajustar a sua altura e velocidade”, diz Ma Jie, enquanto o robot se move lenta, mas continuamente, subindo uma escada.

Ma Jie estudou na Universidade de Oxford a aprendizagem reforçada, uma técnica derivada da psicologia comportamental e que permite “treinar” a inteligência artificial que controla um robot por meio de recompensas ou punições, como no adestramento de cães.

O AlphaDog concilia dois domínios que despertam muito interesse na República Popular da China hoje em dia: a tecnologia e animais domésticos.

Os animais domésticos praticamente desaparecem nas primeiras décadas do regime comunista, mas voltaram a suscitar grande procura de há vinte anos a esta parte.

Como resultado, mais de 1.800 AlphaDogs foram vendidos no seu primeiro mês de comercialização, pela quantia de 16.000 yuans, cerca de 2400 dólares:  “As encomendas chegam principalmente de especialistas em informática, de amantes da tecnologia, mas também de crianças que parecem realmente adorar estas pequenas mascotes”, diz Ma Jie.

Enquanto Pequim investe de maneira intensa em novas tecnologias, principalmente em inteligência artificial, os robots  já estão presentes no dia a dia dos chineses ao entregarem encomendas, ao servirem como garçons nos restaurantes ou a ajudarem na detecção da Covid-19.

Com o tempo, os criadores do cão-robot propõem-se colocá-lo também ao serviço de deficientes visuais: “Com a função de diálogo, poderá comunicar com os deficientes e levá-los ao supermercado ou às paragens de autocarro”, acrescenta Ma Jie.

Na versão “empresa”, um AlphaDog maior pode ser ainda usado para inspeccionar máquinas ou tubos industriais.

A próxima geração também pode ver o robot dotado de uma “personalidade” à escolha do cliente, seja ele manso e companheiro como um poodle ou bastante agressivo como o pit bull.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.