Mau tempo matou pelo menos 113 pessoas nas Flores e em Timor-Leste

Fotografia: NASA Goddard Photo/Creative Commons

Pelo menos 113 pessoas morreram e dezenas continuavam desaparecidas esta segunda-feira, devido a inundações e deslizamentos de terra na Indonésia e em Timor Leste, após a passagem do ciclone Seroja.

As inundações e as cheias repentinas provocadas pelas chuvas torrenciais provocaram o caos na ilha indonésia das Flores e em Timor Leste. O mau tempo deixou milhares de pessoas desalojadas.

As fortes chuvas provocaram cheias repentinas e inundaram milhares de casas. Pelo menos 86 pessoas morreram na Indonésia, e 71 continuam desaparecidas. No vizinho Timor-Leste foram anunciadas 27 mortes, a maioria em Díli, a capital do país.

No leste da ilha indonésia de Flores, muitas casas, estradas e pontes estavam cobertas de lama, o que complicava a tarefa das equipes de resgate que tentavam chegar aos locais mais afectados: “A lama e as condições meteorológicas constituem um grande desafio, assim como os escombros que se acumulam e dificultam as buscas”, afirmou Raditya Jati, porta-voz da agência indonésia de gestão de catástrofes.

Em Lembata, uma ilha situada entreasd  Flores e Timor Leste, o acesso por estrada foi bloqueado, o que obrigou as autoridades a utilizar máquinas pesadas para reabrir as vias de circulação. Partes de alguns vilarejos foram arrastados em direcção à costa, devido a gigantescos deslizamentos de terra.

Basir Langoday, um habitante da ilha, disse que ouviu gritos de socorro numa casa coberta de escombros: “Havia quatro pessoas dentro da casa. Três sobreviveram, mas uma cabou por falecer”, afirmou.

Langoday e outros vizinhos afirmaram que fizeram todo o possível para salvar o homem. “Ele gritava: Mais rápido, não aguento mais”.

Outro residente da ilha, Juna Witak, seguiu até o hospital local para velar o corpo da mãe, que morreu na véspera nas inundações: “Ouvimos um grande estrondo e a água levou as casas, levou tudo”, explica.

E tudo a água levou

Em Timor Leste, muitas pessoas perderam as suas casas, incluindo Epifania Gomes, mãe de quatro filhos, que se refugiou com a família  numa igreja na região de Díli: “É difícil encontrar água limpa. Não nos lavamos, porque não temos chuveiro, nem banheiro, temos que fazer as necessidades no mato”, disse à AFP.

A União Europeia ofereceu ajuda ao país:  “As inundações catastróficas aconteceram no momento em que Timor Leste luta para conter a propagação da Covid-19 entre a sua população, aumentando a pressão sobre os recursos e o povo timorense”, afirmou o bloco.

Na Indonésia, o presidente Joko Widodo expressou os “pêsames” pela devastação no sudeste do arquipélago: “Compreendo a imensa dor dos nossos irmãos e irmãs depois desta catástrofe”, afirmou num discurso à nação.

Nas áreas afectadas, os residentes correram para os centros de abrigo. Outros permaneceram perto dos escombros de suas casas: “As pessoas dispersaram-se por todos os lados, há centenas delas em todos os distritos, mas muitas pessoas também ficaram nas suas próprias casas”, explicou Alfons Hada Bethan, director da agência de gestão de catástrofes da região de Flores Leste. “Elas precisam de medicamentos, de comida, de cobertores”.

As chuvas dificultam os trabalhos de resgate. “Acreditamos que ainda há muitas pessoas sepultadas, mas não sabemos quantas”, disse.

Os deslizamentos de terra e as cheias repentinas são frequentes no arquipélago da Indonésia, sobretudo, durante a temporada das chuvas. Os activistas ambientais afirmam que o desmatamento favorece as catástrofes.

Em Janeiro, 40 indonésios morreram nas inundações registadas na cidade de Sumedang, em Java Oeste.

A agência nacional de gestão de catástrofes calcula que 125 milhões de indonésios, o que representa quase metade da população do arquipélago, vivem em regiões com risco de deslizamento de terra.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.