Musical chinês sobre Xinjiang projecta imagem de “paraíso na Terra”

Fotografia: The Wings of Song/Direitos Reservados

Uma nova comédia musical sobre a Região Aútonoma Uigur de Xinjiang, produzida pela China e inspirada em “La La Land”, chegou recentemente aos cinemas chineses para dar uma imagem de coesão étnica, sem qualquer alusão à vigilância em massa, à repressão ou ao próprio Islão, a religião dos uigures.

A tensão entre a China e vários países ocidentais é palpável desde que a União Europeia, o Reino Unido, o Canadá e os Estados Unidos impuseram, na semana passada, sanções a antigos ou actuais líderes de Xinjiang por violaremos direitos humanos na vasta região do extremo oeste da China. Perante as acusações ocidentais, Pequim tem respondido na mesma moeda.

O musical “The Wings of Songs” estreou no domingo passado na China. É um retrato da vida em Xinjiang, sem espaço para qualquer tipo de polémica.

No filme, rodado ao estilo de Bollywood, não há câmeras de vigilância ou barreiras de segurança, apesar destes mecanismos estarem por toda a parte em Xinjiang. Também não há forças policiais equipadas com escudos antimotim, apesar de serem uma visão regular nas ruas das principais cidades.

Nos últimos anos, Pequim impôs uma vigilância policial drástica na região depois de vários ataques contra civis que atribui a separatistas ou a islamistas uigures.

Também não há referência ao Islão: não há mesquitas ou mulheres com véus, apesar do facto de que mais da metade da população professa a fé muçulmana. Numa das cenas, um dos personagens principais, um uigur de barba feita, brinda com uma cerveja, sem levar em conta que o Islão proíbe o consumo de álcool.

“Muitos amigos uigures”

Em vez disso, o filme enfatiza um bom entendimento entre os han (maior grupo étnico na China) e as várias minorias que têm Xinjiang (uigures, cazaques, quirguizes ou tadjiques) como casa.

As minorias vestem trajes tradicionais e alguns protagonizam danças folclóricas. As imagens, realizadas por entrew incríveis paisagens naturais (desfiladeiros, prados, lagos, montanhas nevadas), são muito coloridas: “Estive em Xinjiang e o filme é muito realista […] Tenho muitos amigos uigures e fiquei em casa deles”, disse à AFP um espectador que não se quis identificar. Em Xinjiang, “as pessoas são felizes, livres e abertas”, assegurou, negando as acusações de trabalho forçado.

Num contexto de nacionalismo exacerbado, várias marcas estrangeiras que se comprometeram no ano passado a não comprar algodão de Xinjiang devido a suspeitas de “trabalho forçado” estão a ser boicotadas na República Popular da China desde a semana passada, notadamente a gigante sueca H&M.

A colheita do algodão é “uma tradição” na região que permite aos moradores “ganhar dinheiro”, afirmou o espectador na casa dos 40 anos.

Um clipe de rap com tom nacionalista também se tornou viral. O vídeo critica as “mentiras” dos “colonos ocidentais” sobre o algodão de Xinjiang.

Por sua vez, a televisão nacional multiplica reportagens e testemunhos sobre a automação da colheita do algodão em Xinjiang e nega que haja “trabalho forçado”.

As mentiras do ocidente

Fotografia: The Wings of Song/Direitos reservados

As redes sociais estão inundadas de vídeos que pretendem mostrar “a verdadeira Xinjiang”, focando na beleza das paisagens, com muitas imagens de drones. Uma exposição fotográfica em Pequim imortaliza momentos da vida em Xinjiang, onde a população parece feliz e sorridente.

Mas, a exemplo do que sucede com o filme, só desperta a curiosidade de um punhado de visitantes.

Alguns clichês elogiam o “progresso” feito na região, que durante muito tempo esteve geograficamente isolada e afastada do desenvolvimento do resto da China.

O desenvolvimento de Xinjiang é o principal argumento que Pequim coloca sobre a mesa se referir à sua política na região. Também o emprego.

No entanto, várias organizações de direitos humanos acusam as autoridades chinesas de deter mais de um milhão de pessoas em “campos”. A República Popular da China assegura que são “centros de formação profissional”, concebidos para ajudar a população a encontrar trabalho e, assim, mantê-la afastada do extremismo religioso.

Transmitir uma “imagem elogiosa” de Xinjiang é “um clássico da propaganda” do Partido Comunista (PCC), afirma Larry Ong, do gabinete SinoInsider, radicado nos Estados Unidos.

O PCC “sabe que uma mentira repetida mil vezes se torna uma verdade”, afirma o especialista.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.