Península Coreana. Washington, Seul e Tóquio acertam estratégias

Fotografia: Thomas Evans/Unsplash

O governo dos Estados Unidos mostrou-se esta sexta-feira disponível para “cooperar” com o Japão e a Coreia do Sul tendo em vista o processo de “desnuclearização” norte-coreana, durante uma conversa com enviados dos dois países aliados, a fim de ajustar a estratégia do Executivo liderado por Joe Biden para Pyongyang.

O conselheiro de Segurança Nacional da Presidência americana, Jake Sullivan, reuniu-se com os seus colegas japonês, Shigeru Kitamura, e sul-coreano, Suh Hoon, na Academia Naval de Annapolis, nas imediações de Washington.

Na reunião, os representantes dos Estados Unidos proposeram-se explicar aos seus interlocutores os avanços do governo de Joe Biden na revisão da política norte-coreana, que agora está a chegar o ao fim, segundo informou ontem o porta-voz da diplomacia norte-americana, Ned Price.

As três autoridades “compartilharam as suas preocupações envolvendo os programas nuclear e de mísseis balísticos da Coreia do Norte, e reafirmaram o seu compromisso com a administração e solução desses temas por meio de uma cooperação trilateral visando à desnuclearização”, assinala um comunicado divulgado pela Casa Branca após a reunião.

“Os Estados Unidos reafirmam o seu compromisso firme em favor da sua aliança com a República da Coreia e o Japão”, enquanto os países asiáticos “assinalam a importância das suas relações bilaterais”, após as fortes tensões que as afectaram nos últimos anos.

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, será recebido no próximo dia 16 na Casa Branca. Suga será o primeiro líder estrangeiro a reunir-se pessoalmente com o novo presidente americano, anunciaram esta domingo os dois governos.

Até ao momento, o presidente Joe Biden não compartilhou as suas intenções em relação a Pyongyang, limitando-se a mencionar a revisão em andamento para ajustar uma nova estratégia após a tentativa de diplomacia directa de seu antecessor, Donald Trump, com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, que não permitiu avanços na desnuclearização do país.

Na semana passada, porém, Biden dvertiu que os Estados Unidos responderão no caso de uma “escalada” norte-coreana, após o lançamento de dois mísseis balísticos por Pyongyang: “Deixamos claro que a desnuclearização permanecerá no centro da política dos Estados Unidos em relação à Coreia do Norte”, confirmou Price, acrescentando que a política deve ser aplicada em “coordenação estreita” com os dois países aliados na região.

Sullivan também planeia discutir com os seus colegas do Japão e da Coreia do Sul sobre a escassez global de semicondutores, cujas cadeias de suprimentos foram perturbadas pela pandemia de Covid-19.

A falta de semicondutores forçou algumas fabricantes de veículos a reduzir a produção e o problema parece estar a espalhar-se e a começar a afectar uma ampla gama de produtos electrónicos: “Acho que seria justo dizer que nossos três países detêm muitas das chaves para o futuro da tecnologia de fabrico de semicondutores”, declarou um funcionário do governo dos Estados Unidos.

A reunião em Annapolis ocorreu após a visita do secretário de Estado, Antony Blinken, e do secretário de Defesa, Lloyd Austin, a Tóquio e Seul.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.