Covid-19. Cansaço e lentidão do processo de vacinação empurram o mundo para a quarta vaga

Fotografia: https://www.flickr.com/photos/187518593@N07

A lentidão na vacinação, o cansaço da população com as restrições e as variantes mais contagiosas de coronavírus estão a empurrar o mundo para uma quarta vaga de Covid-19, com números que já se assemelham aos registados na terceira, no fim de 2020, até então a pior em contágios e mortes.

Segundo números divulgados na quinta-feira pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi ultrapassada a barreira dos 127 milhões de casos, enquanto a quantidade de vítimas se aproxima da marca dos 2,8 milhões.

Tanto o contágio quanto os óbitos continuam numa tendência ascendente, depois de um período de esperança em meados de fevereiro, quanto os dois indicadores estavam a descer: “Temos seis semanas consecutivas de aumento de transmissão em todas as regiões. É uma tendência preocupante e séria. Há muito cansaço, e as pessoas querem que a pandemia termine, mas não estamos a caminhar na direcção certa”, disse Maria Van Kerkhove, diretora-técnica da OMS e responsável pelo processo de luta contra a Covid-19.

Há várias semanas que o número de casos semanais no mundo é superior a 600 mil, aproximando-se do recorde do começo do ano, quanto superou os 800 mil. Em alguns dos últimos dias foi ultrapassada a barreira das 10 mil mortes num período de 24 horas.

Os especialistas da Organização Mundial de Saúde ainda destacaram que, novamente, a idade média dos pacientes em estado grave está a cair, como aconteceu no meio do ano passado. Está-se a registar um aumento das pessoas com idades compreendidas entre os 30 e os 69 anos que precisam de atendimento de urgência: “É frustrante que isso esteja a acontecer, porque já vivemos esta situação, a vigilância baixou com o tempo, e não podemos fazer isso num momento em que a distribuição de vacinas ainda é desigual”, disse a representante da agência internacional.

A quarta vaga de Covid-19 ainda não passou os números da terceira, mas passou os da primeira, que perdurou de Março a Abril de 2020, e da segunda, no meio do ano passado, quando a doença atingiu, principalmente, o continente americano.

A tendência negativa coincide com a chegada da Páscoa, que deve gerar um aumento no número de casos devido ao feriado prolongado em várias regiões do mundo e dos encontros familiares, como aconteceu no último Natal: “Todos nós sabemos o que precisa de ser feito para prevenir infecções e salvar vidas, pelo que precisamos de continuar a fazer isso, fazer tudo o que pudermos para diminuir os números”, disse Van Kerkhove, que afirmou entender a existência de uma corrida contra o relógio para vacinar o maior número de pessoas.

De acordo com o balanço mais recente da OMS, foram aplicadas 600 milhões de doses, enquanto os especialistas apontam para a necessidade de que o número chegue a 10 mil milhões, para que haja uma imunidade de grupo global.

Os Estados Unidos da América lideram o ranking de países que mais vacinaram, com 150 milhões de doses administradas, seguidos da China, com 120 milhões.

Israel, por sua vez, tem a maior taxa de habitantes vacinados, já que levou a imunização, pelo menos com uma dose, a 60 por cento da população, ficando à frente do Reino Unido, com 45 por cento, e do Chile, com 35 por cento.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.