Suiça. Missionários portugueses querem construir escola em Moçambique

Fotografia: Verdade/Creative Commons

Quatro missionários portugueses radicados na Suiça lançaram um projecto que visa a construção de uma escola primária em Nampula, no norte de Moçambique. O estabelecimento escolar deverá ter capacidade para acolher 300 crianças. Os responsáveis pela iniciativa já angariaram cerca de 7.000 euros para a construção do estabelecimento escolar, escreve a agência Lusa.

O projecto “Virar a página” foi lançado por quatro missionários portugueses da Missão Católica de Língua Portuguesa de Lucerna: Jorge Esteves, Armindo Enes, Aloísio Araújo e Júlio Martins. Martins acompanha o projecto no terreno, em Moçambique. 

A iniciativa, promovida junto da diáspora portuguesa na Suíça, nasceu a 17 de Outubro de 2020 – Dia Mundial para as Missões – com o objectivo de angariar fundos para a construção do estabelecimento de ensino. A escola deve vir a nascer numa das regiões mais carentes da província de Nampula, no norte de Moçambique: “Inicialmente, o objectivo era o de percorrer as várias cidades da Suíça, com uma biblioteca ambulante de livros em língua portuguesa. A ideia era que os lucros da venda desses livros revertessem a favor da causa”, explicou Jorge Esteves, missionário com formação em Teologia. A crise de sáude pública obrigou-os a pensar numa nova forma de vender esses livros, optando por fazê-lo de forma online, através da página do Facebook “Portugueses na Suíça por Moçambique”.

Desde o início do projeto até ao final de Fevereiro deste ano, os responsáveis pela iniciativa conseguiram vender cerca de 200 livros através da página do Facebook do projecto. Os voluntários desta causa humanitária esperam conseguir alcançar os 30.000 euros necessários à construção do estabelecimento escolar. Durante o fim de semana, o espaço também deverá servir como sala de catequese para os jovens da região.

“Actualmente, as crianças têm aulas no chão”, lamentou o missionário, sustentando que estas causas exigem “muita perseverança, coragem e alguma sensibilidade para estas questões universais”.

O missionário referiu ainda que, ao longo da vida, sempre colaborou com revistas missionárias em vários projectos e que sempre esteve muito atento a estas questões ligadas às necessidades da humanidade: “Não podemos mudar o mundo, mas podemos mudar o mundo de alguém”, defendeu, em declarações à agência Lusa.

A resposta da comunidade portuguesa na Suíça tem sido positiva, supreendendo os mentores do projeto: “No Natal recebemos um donativo anónimo de 1.000 euros. Há pessoas muitos solidárias e ficamos muito felizes por isso. Estamos certos de que esta escola será construída”, defendeu Jorge Esteves.

Se o montante necessário à construção da escola for alcançado, o estabelecimento será construído com materiais locais e por empresas da região de forma a estimular a economia local: “Ajudar está ao alcance de todos, sendo que com 10 francos suíços podemos comprar 40 tijolos”, afirmou o missionário, apelando a todos quantos queiram ajudar a tornar possível a construção desta escola. 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.