Ovos de Páscoa ou obras de arte?

Fotografia: Imagem meramente ilustrativa. Bee Felten Leidel/Unsplash

Num bairro popular do sul de Roma, as vitrines de uma confeitaria exibem sumptuosos ovos de Páscoa multicoloridos, alinhados como obras de arte, uma homenagem à arte e à confeitaria. Cada ovo de chocolate é esculpido em homenagem a um conhecido artista por Walter Musco, um romano de 47 anos apaixonado pela arte moderna e especialista em confeitaria na decoração de uma das tradições culinárias associadas ao período da Páscoa.

Pintadas sobre um coração vermelho, os personagens de Keith Haring  destacam-se, um ovo amarelo-girassol foi adornado com as famosas incisões das telas do pintor ítalo-argentino Lucio Fontana, conhecido por seus trabalhos abstratos.

“Surgiu de uma ideia muito simples, a minha paixão pela arte, que se estendeu à literatura, à música e ao cinema”, explicou Walter, em declarações à AFP. “Todos os artistas que cito nesta exposição representam dez anos de produção. São os mais representativos e aqueles de que mais gosto. Incluí muitos artistas italianos (…) e internacionais, mas sobretudo da pop art: Keith Haring, Roy Lichtenstein”, acrescenta.

Surpreende o ovo com um vestido de veludo vermelho, inspirado na estilista Azzedine Alaïa.

Olhar e não comer

Os ovos especiais custam entre 150 e 400 euros. “Alguns pude decorar rapidamente, outros, porém, exigiram vários dias de trabalho”, explica Walter, a cabeça rapada com a mesma perfeição que coloca nas suas criações.

Por serem muito caros, os ovos de chocolate raramente são comidos. “Eles podem ser conservados durante muito tempo em lugares frescos, onde a temperatura não é muito alta”, recomenda.

Alguns ovos pertencem a colecções particulares de clientes que os compraram, mas nunca quiseram abri-los ou comê-los. Para as suas obras gastronõmicas, Walter, que as fabrica inteiramente à mão, usa 55 por cento de chocolate amargo: “Todas as cores que usamos são para alimentos e são misturadas à manteiga de cacau em proporções precisas”, explica.

Na oficina localizada no porão de sua confeitaria, no bairro de Tor Marancia, Walter voluntariamente oferece-se para uma demonstração do seu talento e armado com uma faca afiada, concentrado como um cirurgião em frente à mesa de operação, desenha com um gesto confiante: “Sou autodidacta. Tive uma galeria de arte há muitos anos. Vendia arte da África, Sudeste Asiático, Oceania, de aborígenes da Austrália. Apaixonei-me por essa forma de arte mais eurocêntrica”, confessa com um grande sorriso.

“Tudo o que é abstracto e difícil de entender tem um forte impacto emocional”, diz ele.

Também gostaria de contar com a colaboração de actores para suas criações, um projecto que o empolga para continuar a evoluir em busca de novas ideias e opiniões.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.