Hong Kong. Activistas condenados por participação em protestos em 2019

Fotografia: Arquivo. Lay Ryianne/Creative Commons

Nove activistas veteranos da Região Administrativa Especial de Hong Kong foram considerados culpados, esta quinta-feira, pelo papel que tiveram na organização de uma das maiores manifestações de 2019. Entre os nove, estão algumas das personalidades mais respeitadas da luta pelas liberdades civis e políticas na antiga colónia britânica, com frequência, defensores da não-violência que se mobilizaram durante décadas para a instauração de um verdadeiro sufrágio universal.

Um dos mais conhecidos é o advogado Martin Lee, de 82 anos. Antes de Hong Kong regressar à soberania chinesa, a 1 de Julho de 1997, ele foi escolhido por Pequim para redigir a “Basic Law”.

Também foram processados a antiga deputada da oposição e advogada Margaret Ng, de 73 anos, assim como o magnata da imprensa Jimmy Lai e o  antigo deputado Leung Kwok-hung, conhecido como “Long Hair”.

Os dois últimos encontram-se em prisão preventiva por outros processos em nome da draconiana lei de segurança nacional imposta por Pequim no final de Junho de 2020.

Os demais são figuras da Frente Civil pelos Direitos Humanos (CHRF), coligação que organizou as manifestações mais multitudinárias de 2019, quando a cidade mergulhou na sua pior crise política desde a transferência da soberania em 1997, com acções e mobilizações quase diárias.

O Tribunal de Distrito de Hong Kong declarou sete deles culpados de organizar e participar num protesto ilegal. Os outros dois declararam-se culpados. Podem ser condenados a até cinco anos de prisão. As penas serão divulgadas a 16 de Abril.

“Estamos muito orgulhosos, ainda que tenhamos que ir para a cadeia por isso”, disse o antigo deputado e líder sindical Lee Cheuk-yan aos jornalistas. “Independentemente do que o futuro nos reserva, nunca deixaremos de sair à rua”, complementou.

Na manhã desta quinta-feira, algumas dezenas de pessoas reuniram-se nas imediações do tribunal com cartazes que denunciavam “repressão política”.

É um caso emblemático, porque se trata da organização de uma manifestação não autorizada em 18 de Agosto de 2019, uma das mais maiores em sete meses de protesto.

Os organizadores foram responsáveis por reunir 1,7 milhões de manifestantes neste dia, o que representa quase um em cada quatro residentes de Hong. O número não pôde, no entanto, ser verificado de forma independente.

Durante horas, um grande desfile tomou, pacificamente, as ruas do centro da ilha de Hong Kong.

Escolhido pelo governo de Hong Kong para dirigir a acusação contra os nove, o magistrado britânico David Perry acabou por renunciar à tarefa, devido às fortes críticas de Londres e de organizações jurídicas britânicas quando se soube que ele tinha aceite. A acusação alegou que os nove desafiaram a proibição de se manifestar, causando problemas na circulação automóvel.

Na sentença, a juíza AJ Woodcock advertiu que estava inclinada a impor a pena máxima e deu a entender que a natureza pacífica do protesto não era uma desculpa válida: “(…) As considerações de ordem pública não se limitam apenas aos casos de violência, mas também às graves perturbações do tráfego, como foi o caso”, diz a sentença.

A popularidade do protesto reflectiu-se nas urnas, com a vitória da oposição nas eleições locais de Novembro de 2019. O movimento perdeu fôlego no início de 2020, devido às restrições impostas contra a pandemia do coronavírus, pelas milhares de prisões e por um certo cansaço dos manifestantes.

Salvo o abandono da polémica lei de extradição, os manifestantes não conseguiram nada. E, em Junho de 2020, as autoridades chinesas impuseram a lei de segurança nacional.

As manifestações deixaram de se realizar na cidade. E, também sob pretexto da pandemia, as autoridades adiaram por um ano as eleições legislativas, nas quais a oposição tinha sérias hipóteses de ver reflectida a popularidade de sua luta.

Além disso, na terça-feira, a China promulgou a reforma do sistema eleitoral local, o que marginalizará totalmente a oposição no Conselho Legislativo, o parlamento da antiga colónia britânica.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.