Covid-19. China nega ocultação de dados sobre a origem do coronavírus

Fotografia: NursingSchoolsNearMe/Creative Commons

As autoridades da República Popular da China negaram esta quarta-feira que tenham ocultado dados ou dificultado o trabalho dos cientistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) que estiveram em Janeiro e Fevereiro na cidade de Wuhan, onde foi detectado o primeiro surto de covid-19, para investigar a origem do SARS-COV-2.

Numa conferência de imprensa realizada em Pequim, o chefe da equipa de especialistas chineses que investigou o coronavírus, Liang Wannian, indicou que “a China forneceu todos os dados disponíveis” e que agora “é o momento de continuar a estudar a origem do vírus noutras partes do mundo”.

Os Estados Unidos da América e treze outros países expressaram esta terça a sua “preocupação” com o relatório publicado no mesmo dia pela OMS sobre a origem da Covid-19 e disseram que a missão internacional de cientistas “foi significativamente atrasada” e “não teve acesso aos dados e amostras” do vírus “originais e completas”.

A controvérsia decorre do facto de os especialistas da OMS apenas terem obtido relatórios previamente preparados por especialistas chineses ou não terem podido rever os dados originais em que esses relatórios se baseavam, algo que lhes teria permitido chegar às suas próprias conclusões sobre a origem e a forma como o vírus se espalhou, de acordo com vários meios de comunicação social dos EUA, tais como o The Wall Street Journal.

Liang disse também que a parte chinesa do relatório já foi concluída e condicionou a visita de uma nova missão da Organização Mundial de Saúde à evolução das investigações: “É demasiado cedo para falar de outra missão de especialistas à China. Dependerá das recomendações das investigações e dos seus planos específicos. Também serão necessários estudos noutros países e regiões”.

O perito elogiou o relatório da OMS porque “chegou às melhores conclusões possíveis tendo em conta a dificuldade desta investigação”.

A República Popular da China, acrescentou, “vai continuar a trabalhar até ao dia em que for encontrada a origem do vírus”. O relatório da OMS apresentado ontem não ofereceu uma resposta definitiva sobre a origem do virulento patógeno, e as suas conclusões estão resumidas em quatro hipóteses.

A que é dada maior credibilidade é que o coronavírus chegou aos humanos através de um ou mais animais que terão actuado como uma espécie intermediária.

A probabilidade de ter saltado directamente da espécie portadora para os humanos é menor, uma vez que não foi encontrado até agora um coronavírus igual ou parecido em nenhuma das espécies mais suspeitas.

O relatório assinala que o Instituto de Virologia de Wuhan estava a estudar um coronavírus encontrado em morcegos e muito próximo do SARS-CoV-2, e que o centro de controlo de doenças da cidade mudou de sede a 2 de Dezembro de 2019, altura em que o trabalho de laboratório pode ter sofrido perturbações.

Os dezassete peritos estiveram na China entre meados de Janeiro e Fevereiro e visitaram o mercado de Huanan em Wuhan, onde se vendiam animais selvagens, estiveram em herdades de animais que os forneciam, bem como laboratórios e centros que armazenam informações da primeira fase da pandemia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.