Suiços a favor de mais direitos para os estrangeiros

Fotografia: Mortaza Shahed/Unsplash

Uma sondagem sobre a convivência e a aceitação da diferença na Suíça mostra que 58 por cento da população considera o racismo um problema significativo. Um terço dos interrogados sente-se incomodado por pessoas entendidas como diferentes, noticiou na quinta-feira o jornal Le Matin.

Mais abertos à diferença e com uma percepção do outro mais inclusiva, mas ainda assim susceptíveis à desconfiança. O  Gabinete Federal de Estatísticas da Suiça (FSO) publicou na quinta-feira os resultados de uma sondagem sobre a convivência intercultural na Suíça. Trata-se de a terceira vez que um inquérito da índole é conduzido pelas autoridades suiças.

 O estudo revela que, em 2020, a população mostrava abertura aos outros. Grande parte dos inquiridos (58 por cento) tem consciência de que o racismo é um problema “importante” e que deve ser combatido. Quase dois terços (64 por cento) acreditam que o processo de integração dos imigrantes é bem sucedido. A população tende a ser favorável à concessão de mais direitos aos estrangeiros que residem no país, em particular no que diz respeito ao reagrupamento familiar. Mais de dois terços afirmam ainda que os estrangeiros são necessários para o bom funcionamento da economia suíça. Um terço da população que vive na Suíça, no entanto, reconhece que se sente incomodada quando é confrontada com a alteridade, destaca o Gabinente Federal de Estatísticas. A sondagem especifica que essa parte da população “se sente incomodada com pessoas percebidas como diferentes”.

As percepções públicas sobre a cultura, a religião e as afiliações muçulmanas tendem a ser menos favoráveis ​​do que as de outros grupos. Pessoas com estilo de vida itinerante, como é o caso dos ciganos, também são mais propensas a atitudes negativas.

Em termos de disparidades culturais, as pessoas que não falam uma das línguas com estatuto oficial, aquelas que são percepcionadas como sendo não integradas e aquelas que não respeitam a cultura ou os valores suíços também são citadas. Em 2020, quase um terço da população relatou ter sofrido discriminação ou violência.

No período entre 2016-2020, a percentagem passou de 27 por cento para 32 por cento. Entre as vítimas, a maioria cita a nacionalidade como motivo. O mundo do trabalho é o lugar onde a discriminação ocorre com mais frequência, mas o espaço público também é mencionado por muitas vítimas.

O objetivo da sondagem sobre a convivência na Suíça é apresentar uma imagem confiável das questões levantadas pela coabitação dos diferentes grupos e nacionalidades que vivem actualmente no país. Os números são apresentados em oito áreas principais, fornecendo informações sobre questões de diversidade, racismo e inclusão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.