França. Pena suspensa e trabalho comunitário por ataque ao Arco do Triunfo

Fotografia: Mika Baumeister/Unsplash

Oito pessoas foram condenadas esta quinta-feira em Paris a prisão com pena suspensa e à realização de trabalhos comunitários por terem estado envolvidas num ataque ao Arco do Triunfo durante uma manifestação dos “coletes amarelos” em 2018.

O movimento dos “coletes amarelos” nasceu a 17 de Novembro de 2018 em protesto contra a política social e fiscal do governo francês. O país foi durante quase um ano palco de ocupações em cruzamentos e sacudido ocasionalmente por manifestações violentas.

Um antigo militar  com ligações à extrema direita, julgado por ter alegadamente vandalizado o monumento com inscrições contra o governo, foi absolvido por falta de provas, explicou a presidente do tribunal, Sonia Lumbroso.

Os oito acusados, julgados por danos e roubo, não foram os “principais responsáveis” pelos saques, que nunca foram identificados pelos investigadores, reconheceu o tribunal na abertura do julgamento na segunda-feira.

Os oito, cuja maioria não tem antecedentes criminais, terão de cumprir 70 horas de serviço comunitário e os que roubaram alguns objectos (cartões postais, miniaturas do Arco do Triunfo ou miniaturas da Torre Eiffel) foram multados em 100 euros.

Os que foram declarados culpados de danificar o monumento foram condenados a até oito meses de prisão com suspensão de pena. Um deles foi filmado a tentar arrombar uma porta com um extintor de incêndio.

As imagens do ataque ao Arco do Triunfo, que ocorreu a 1 de dezembro de 2018, no segundo dia de manifestações do movimento na capital francesa, circularam por todo o mundo. Naquele dia, quase cem veículos foram incendiados, fachadas foram queimadas, vitrines foram partidas e lojas foram saqueadas.

Na Praça Charles de Gaulle, numa das extremidades da Avenida Champs-Élysées, o perímetro de segurança ao redor do Arco do Triunfo foi rompido e o interior do monumento foi atacado.

Os nove réus, a maioria na casa dos vinte anos, declararam ao tribunal que foram se manifestar “pacificamente” e que entraram no Arco do Triunfo para “se proteger” do gás lacrimogéneo.

No entanto, os verdadeiros “desordeiros”, os “peixes grandes”, não foram a julgamento, lamentaram vários advogados no tribunal.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.