Elefante africano da floresta em risco de extinção

Fotografia: Paweldotio/Unsplash

A destruição do habitat e a caça furtiva dizimaram a população do elefante-da-floresta (ou elefante africano da floresta), e a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) afirma que a subespécie está em risco de extinção.

O Loxodonta cyclotis é menor do que o seu primo das savanas e vive, principalmente, nas selvas da África Central e Ocidental. Em 30 anos, viu a sua população diminuir em 86 por cento e, agora, está considerado em perigo crítico de extinção, alertou a IUCN nesta quinta-feira, numa actualização da sua lista vermelha de espécies ameaçadas.

A população de elefantes-da-savana também não fica imune (Loxodonta africana), diminuiu pelo menos 60 por cento nos últimos 50 anos e foi classificada como “em perigo”.

A IUCN faz, agora, uma distinção entre as duas espécies de elefantes encontradas no continente. A classificação das duas “destaca as pressões constantes, que estes emblemáticos animais têm de enfrentar”, afirma Bruno Oberle, director-geral da organização, uma das principais ONG mundiais que trabalham pela conservação da biodiversidade.

Há 50 anos, cerca de 1,5 milhões de elefantes percorriam toda a África. De acordo com o censo mais recente de grandes mamíferos, em 2016,  esse número caiu para 415.000: “Trata-se de uma queda verdadeiramente acentuada”, diz à AFP Benson Okita Ouma, da ONG Save the Elephants e co-presidente do grupo de especialistas em elefantes africanos da IUCN.

A redução deve fazer “disparar o alarme”, afirma, embora a próxima contagem não seja esperada senão para antes de 2021, ou mesmo em 2023.

Os elefantes não vão desaparecer de África da noite para o dia, segundo ele, mas “a classificação deve servir de alerta de que, se não mudarmos o curso das coisas, teremos boas hipóteses de os animais se extinguirem”.

Com base no estudo do genoma, os especialistas estimam que é melhor tratar em separado as duas espécies de elefantes africanos – e há uma terceira na Ásia -, de acordo com a IUCN.

Actualmente, os elefantes-da-floresta ocupam apenas 25 por cento do seu território original, e as populações mais importantes encontram-se no Gabão e no Congo. O elefante-da-savana prefere um hábitat mais aberto, na África Subsaariana.

Caça furtiva, o maior dos males

O declínio no número de animais de ambas as espécies acelerou desde 2008, quando a caça furtiva devido às presas de marfim que os tornam um alvo se intensificou, atingindo o seu auge em 2011. E, embora o fenómeno tenha perdido intensidade, continua a ameaçar os elefantes, adverte a IUCN.

Para Okita Ouma, talvez o mais preocupante seja a destruição do habitat dos elefantes para aumentar a área de terras agrícolas, ou a exploração florestal: “Se não planearmos adequadamente a nossa exploração da terra, haverá formas indirectas de morte”, mesmo se conseguirmos deter a caça ilegal e outros sacrifícios ilegais.

O relatório também sinaliza aspectos mais positivos, como o sucesso na conservação de paquidermes em áreas protegidas, bem administradas, no Gabão e no Congo.

Na África austral, o número de elefantes-da-savana também é estável e está, inclusive, a crescer na área de conservação transfronteiriça de Kavango Zambezi.

A pandemia do coronavírus também tem impacto nos esforços de conservação da natureza. Por um lado, priva os países das receitas do turismo, usada para financiar esses esforços. Por outro, a queda da actividade humana permitiu aos elefantes “recolonizar” certas áreas, das quais a actividade humana os havia expulsado

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.