Cargueiro encalha e suspende navegação no canal do Suez

Fotografia: Cameron Venti/Unsplash

A navegação no Canal de Suez foi suspensa temporariamente, esta quinta-feira, até que as autoridades consigam retirar um cargueiro gigantesco que bloqueia o tráfego desde quarta-feira na mais crucial das rotas comerciais entre a Europa e Ásia,  uma tarefa que se tem mostrado bastante complicada.

A Autoridade do Canal de Suez (SCA) anunciou a suspensão da navegação até conseguir desencalhar o “Ever Given”, navio de 400 metros de comprimento que bloqueia a via. A empresa Evergreen Marine Corp, com sede em Taiwan e que explora o navio, designou equipas de especialistas da empresa holandesa Smit Salvage e da japonesa Nippon Salvage, com o objectivo de aplicar um “plano mais eficaz” para salvar o navio.

Uma equipe da Smit Salvage, filial do grupo de dragagem e reformas portuárias Royal Boskalis Westminster, chegará nas próximas horas ao local para ajudar na operação, que pode demorar “dias ou até semanas”: “É realmente uma baleia muito pesada que encalhou, uma maneira de falar”, disse Peter Berdowski, director executivo da Royal Boskalis.

De acordo com um mapa evolutivo do site Vesselfinder, dezenas de navios aguardam nos dois extremos do canal e na zona de espera situada no meio do canal.

A SCA, que deslocou vários rebocadores para o Canal para tentar desencalhar o navio, afirmou que “13 navios do comboio norte (procedentes do Mar Mediterrâneo) (…) estão atracados em áreas de trânsito”.

O incidente, que aconteceu na madrugada de terça para quarta-feira, provoca atrasos consideráveis nas entregas de petróleo e de outros produtos comerciais. O bloqueio provocou o aumento dos preços do petróleo: “As consequências sobre os preços dependerão da duração do bloqueio”, afirmou Bjornar Tonhaugen, da consultoria Rystad.

“Nunca vimos nada como isto antes, mas é provável que o congestionamento se mantenha por vários dias ou semanas, para ser reabsorvido, pois deve ter um efeito cascata sobre os outros comboios, horários e mercados mundiais”, afirma Ranjith Raja, directora de investigação sobre o petróleo do Médio Oriente e o Mar na empresa Refinitiv, que compila dados financeiros e outras informações.

Desastre inédito

O “Ever Given”, um navio de mais de 220.000 toneladas que seguia para Roterdão procedente da Ásia, encalhou na madrugada de terça para quarta-feira e ficou atravessado, bloqueado na ala sul do Canal de Suez.

Os especialistas citam os ventos fortes como uma das causas do incidente com o cargueiro de 60 metros de altura. A SCA também mencionou uma tempestade de areia, um fenómeno comum no Egipto nesta época do ano, que reduz a visibilidade e poderá ter feito com que o navio se desviasse.

O grupo Bernhard Schulte Shipmanagement (BSM), que tem sede em Singapura e é responsável pela gestão técnica do “Ever Given”, informou que os 25 membros da tripulação estão a salvo. Não há contaminação nem danos na carga do navio, que tem capacidade para mais de 20.000 contentores.

A empresa japonesa Shoei Kisen Kaisha, proprietária do cargueiro, admitiu nesta quinta-feira que está a enfrentar grandes dificuldades para manter o navio à tona: “Em cooperação com as autoridades locais e a empresa Bernhard Schulte Shipmanagement, estamos a tentar desencalhar o navio, mas enfrentamos dificuldades extremas”, afirmou a Shoei Kisen Kaisha em comunicado. A empresa pediu “sinceras desculpas” pelos atrasos que o incidente está a provocar.

Ligação marítima entre Europa e Ásia, o Canal de Suez permitiu que os navios não tivessem de dar a volta ao continente africano (o que representa, por exemplo, 6.000 quilómetros a menos entre Singapura e Roterdão), mas também foi cenário de guerras e anos de inactividade.

Um incidente como o desta semana tem grandes consequências, porque 10 por cento do comércio marítimo internacional passa por esta via, de acordo com  os especialistas.

Uma ampliação feita entre 2014 e 2015, para acompanhar a evolução do comércio marítimo, facilitou o cruzamento de navios e diminuiu ainda mais o tempo de trânsito no canal. Quase 19.000 embarcações usaram o Canal de Suez ano passado, segundo a SCA.

Idealizado por Ferdinand de Lesseps, um empresário e diplomata francês, o colossal projecto levou dez anos a ser concluído, entre 1859 e 1869, com a participação de um milhão de egípcios, de acordo com as autoridades.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.