China julga canadiano detido por espionagem

Fotografia: Jason Hafso/Unsplash

A República Popular da China julgou esta sexta-feira  um dos canadeianos acusados de espionagem, apesar dos apelos do Canadá para a sua libertação imediata, num momento de intensa actividade diplomática entre Washington e Pequim.

Detido há dois anos, Michael Spavor foi julgado em apenas duas horas em Dandong, no nordeste da China, à porta fechada, informou um diplomata canadiana. A sentença será anunciada posteriormente, anunciou o tribunal.

Diplomatas e jornalistas não foram autorizados a acompanhar o processo.

Spavor, empresário, foi detido no fim de 2018, pouco depois da detenção no Canadá de uma executiva do grupo chinês de telecomunicações Huawei, a pedido da Justiça dos Estados Unidos. Um segundo canadiana, Michael Kovrig, foi detido na mesma altura.

Pequim nega qualquer relação entre os casos.

O número dois da embaixada do Canadá na China, Jim Nickel, afirmou que o país está a trabalhar de maneira estreita com os Estados Unidos para obter a libertação imediata de Spavor e Kovrig, que será julgado na segunda-feira: “Temos a esperança de que, em certa medida, o julgamento possa levar à libertação imediata”, disse.

O julgamento de Spavor começou horas depois do início de um encontro entre altos funcionários chineses e americanos no Alaska,  num ambiente de muita tensão. Trata-se do primeiro contacto directo deste nível durante o governo de Joe Biden.

O Wall Street Journal informou em Dezembro que a Huawei negociava um acordo com a administração americana que permitisse a Meng Wanzhou regressar à China.

A filha do fundador da Huawei foi detida no aeroporto de Vancouver a 1 de Dezembro de 2018 a pedido da Justiça americana, que a acusa de violar as sanções dos Estados Unidos contra o Irão. Washington deseja julgá-la por fraude bancária.

O caso provocou uma deterioração sem precedentes das relações entre a China e o Canadá.

As acusações exatas contra os dois canadianos não foram divulgadas oficialmente.

Em Março de 2019, a agência estatal de notícias Xinhua informou que Kovrig era suspeito de espionagem e de violar segredos de Estado, enquanto Spavor era uma de suas principais fontes de informação.

Michael Spavor, que mora no nordeste da China, organizava viagens à Coreia do Norte, tendo permitido que a antiga estrela de basquetebol norte-americana Dennis Rodman visitasse Pyongyang.

Em Dandong, na fronteira com a Coreia do Norte, diplomatas de vários países ocidentais acompanharam esta sexta-feira os colegas canadianos nas proximidades do tribunal: “Apreciamos o apoio internacional”, declarou Nickel, que denunciou a detenção “arbitrária” dos compatriotas.

Na quinta-feira, a família de Michael Spavor rompeu o silêncio para “exigir a libertação incondicional” e denunciar “a ausência total de transparência do caso”.

Richard Atwood, presidente interino do centro de pesquisas Crisis Group, para o qual Kovrig, 49 anos, trabalhava, afirmou que o caso tem motivações “políticas”.

Os dois canadianos detidos não tiveram acesso aos seus advogados, ou a seus familiares, e puderam receber representantes da sua embaixada apenas uma vez por mês.

Os contactos foram suspensos durante nove meses no ano passado, em nome da luta contra a pandemia de Covid-19.

Em Vancouver, o processo de extradição para os Estados Unidos de Meng, que está em prisão domiciliar, está na última fase. As últimas audiências estão previstas para Maio.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.