EUA. Oito mortos em ataques a centros de massagem asiáticos

Fotografia: Matt Popovich/Unsplash

Pelo menos oito pessoas foram mortas na terça-feira em ataques a três salões de massagens asiáticos na cidade americana de Atlanta. O suposto responsável já foi detido pelas autoridades. O alegado autor é um homem de 21 anos identificado como Robert Aaron Long, que foi detido ontem à noite a cerca de 250 quilómetros, a sul de Atlanta, capital do estado da Geórgia.

Long será o responsável, de acordo com as autoridades, por três ataques, cujos motivos ainda não foram dados a conhecer, embora a polícia tenha inicialmente tratado o evento como um roubo.

No entanto, alguma imprensa indica que possa ter havido uma motivação racial nos assassinatos, uma vez que seis das vítimas são mulheres de origem asiática.

O primeiro tiroteio ocorreu pouco antes das 17h00 locais num salão conhecido como Young’s Asian Massage Parlor, localizado a norte de Atlanta, no condado de Cherokee. Quatro pessoas foram mortas nesse primeiro ataque e uma quinta ficou ferida. Os mortos são três mulheres, duas delas asiáticas, e um homem.

Pouco depois, por volta das 17h45 locais, quatro outras pessoas foram assassinadas em ataques a dois salões localizados no mesmo quarteirão na cidade de Atlanta, alegadamente levados a cabo por Long.

Três mulheres foram mortas no primeiro (Gold Spa) e outra mulher no último (Aromatherapy Spa). Segundo a Polícia de Atlanta, todas estas quatro mulheres assassinadas eram de origem asiática.

O jornal New York Times cita a ONG Stop AAPI Hate, dedicada à prevenção da discriminação asiática durante a pandemia de coronavírus, que descreveu o incidente como “uma tragédia indescritível” para a comunidade asiático-americana, que tem sofrido um grande número de ataques racistas.

Segundo a ONG, houve quase 3.800 relatos de incidentes de ódio contra asiático-americanos em todo o país desde Março passado, depois de a pandemia de coronavírus ter sido declarada.

A organização também disse que os tiroteios desta terça-feira “só irão exacerbar o medo e a dor que a comunidade asiático-americana continua a suportar”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.