China bloqueia aplicação de mensagens Signal

Fotografia: Dimitri Karastelev/Unsplash

A aplicação de mensagens criptografadas Signal, uma das poucas plataformas estrangeiras que não estava bloqueada até o momento na República Popular da China, estava esta terça-feira inacessível no  país, tendo-se juntado aparentemente a um extenso rol de serviços e aplicações que se encontram bloqueados.

A China tem um dos sistemas de vigilância da internet mais massivos do mundo, um mecanismo de censura que permite filtrar qualquer conteúdo considerado sensível, incluindo críticas políticas ou pornografia.

Em nome da estabilidade, a China exige que os gigantes digitais tenham os seus próprios censores para executar a tarefa de maneira antecipada.

Caso as normas não sejam cumpridas, a China bloqueia as ferramentas digitais,  a exemplo do que fez com serviços como o Google, o Facebook ou o Twitter, acessíveis apenas através de uma Rede Privada Virtual (VPN na sigla em inglês).

De acordo com o site Greatfire.org, que acompanha a censura on-line na China, a aplicação Signal já não está acessível no país desde 15 de Março. A aplicação permanece disponível na AppStore China, a loja de aplicações da empresa americana Apple.

Até ao momento, o Signal não respondeu a um pedido de comentário da agência France Pressa. Na China, a aplicação foi instalada em 510.000 telefones ou tablets Apple, de acordo com  a consultoria Sensor Tower.

A nível mundial, o Signal superou a marca de 100 milhões de downloads na AppStore e no Google Play.

Lançado em 2014, o Signal é considerado pelos especialistas como um dos aplicativos de mensagens mais seguros no mercado graças a um elaborado sistema de criptografia.

A aplicação ganhou notoriedade em Janeiro quando o concorrente WhatsApp anunciou que compartilharia mais dados com a sua empresa matriz Facebook, o que enfureceu muitos utilizadores.

A reacção dos utilizadores levou o WhatsApp a anunciar o adiamento por três meses da entrada em vigor das novas condições de uso.

Na ocasião, o fundador de Tesla, o empresário Elon Musk, elogiou publicamente o Signal, o que fez desta aplicação a mais baixado durante vários dias em muitos países, entre eles a Índia, a França e a Alemanha.

O Signal une-se assim à longa lista de plataformas ou redes sociais bloqueadas na China.

No mês passado, a China proibiu o Clubhouse, um aplicativo americano que permite aos utilizadores participar em conversas ao vivo apenas por convite.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.