Tempestades de areia e poluição, o cocktail tóxico que asfixia Pequim

Fotografia: Marek Piwnicki/Unsplash

Pequim amanheceu nesta segunda-feira sob uma espessa névoa amarelada, provocada por uma tempestade de areia que afecta a capital e pela poluição de origem humana. A combinação dos dois fenómenos provoca um cocketail perigoso para a saúde e reduz a visibilidade a algumas centenas de metros.

O município suspendeu todas as actividades esportivas ao ar livre nos centros de ensino e aconselhou as pessoas que sofrem de problemas respiratórios que não saiam às ruas. Com os rostos cobertos, muitos residentes de Pequim seguiram para o trabalho, mas alguns usavam óculos de protecção.

Os edifícios emblemáticos da cidade mal eram visíveis, como a sede da televisão nacional, com o topo do edifício, de 234 metros, escondido por detrás da névoa.

Na rede social Weibo, os chineses transformaram o fenómeno num dos principais temas do dia.

“Esta tempestade alaranjada parece o fim do mundo”, escreveu um morador.

As tempestades de areia, procedentes do deserto de Gobi, são frequentes na Primavera no norte da China, mas os moradores da capital não observavam o céu tão carregado há mais de uma década.

O site especializado aqicn.org considera “perigosa” a qualidade do ar. O nível de partículas PM10 alcançou o limite de 999 ao início da manhã, uma taxa 20 vezes superior às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). O nível das partículas PM2,5, ainda mais tóxicas, era de 567, um nível poucas vezes registado nos últimos anos em Pequim.

Os episódios de poluição extrema tornaram-se menos frequentes nos últimos anos na capital chinesa, onde o combate à poluição é um dos maiores desafios para o país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.