Pandemia delapida finanças do Vaticano e afunda reservas

Fotografia: Alex Folguera/Unsplash

A Santa Sé, a estrututura administrativa central da Igreja Católica, pode ter que usar 40 milhões de euros de reservas pelo segundo ano consecutivo porque a pandemia de Covid-19 está a consumir as suas finanças, disse um responsável do Vaticano na sexta-feira.

O padre Juan Antonio Guerrero, chefe do Secretariado da Economia do Vaticano, também disse que um fundo discricionário especial para ajudar o papa Francisco a administrar a Igreja e a financiar as suas instituições de caridade está a ser perigosamente delapidado.

Guerrero deu uma entrevista ao site oficial VaticanNews, depois de detalhes do Orçamento projectado para a Santa Sé este ano terem sido divulgados. O número principal, um déficit de cerca de 50 milhões de euros, já tinha sido anunciado no mês passado.

O Orçamento da Santa Sé cobre entidades de Roma que supervisionam o governo da Igreja de 1300 milhões de membros, as suas representações diplomáticas e as operações da imprensa.

A Cidade do Vaticano, que inclui os Museus do Vaticano e o Banco do Vaticano, tem um Orçamento separado, embora os rendimentos de ambos sejam transferidos com frequência para a Santa Sé para ajudar a sanar déficits.

A Basílica de São Pedro e os Museus do Vaticano, estes últimos uma grande fonte de rendimentos que recebeu cerca de 6 milhões de visitantes a pagar em 2019, foram fechados ou estiveram abertos parcialmente durante a maior parte de 2020 por causa da pandemia. Deveriam reabrir na semana que vem, mas não será possível devido a um novo confinamento em Itália.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.