África do Sul. Soberano da nação zulu morre aos 72 anos

Fotografia: Media Club South Africa Cultural dance festival Joubert park Johannesburg South Africa. March 2008 via photopin (license)

O rei dos zulus, Goodwill Zwelithini, uma figura venerada mas também controversa na África do Sul, morreu esta sexta-feira aos 72 anos, depois de passar várias semanas hospitalizado por complicações relacionadas com a diabetes.

Este monarca sem trono, sem coroa e sem poder na actual África do Sul exercia, no entanto, uma grande influência sobre milhões de pessoas desta etnia, a mais importante do país, exercendo um papel que era sobretudo espiritual. Os líderes tradicionais são reconhecidos pela Constituição e continuam a cumprir um papel simbólico no país: “É com grande dor que tenho que informar à nação o falecimento de Sua Majestade, o rei Goodwill Zwelithini (…) rei da nação zulu”, afirma um comunicado assinado por Mangosuthu Buthelezi, um influente político sul-africano que é também um príncipe zulu. “Tragicamente, quando estava hospitalizado, a saúde de Sua Majestade piorou, e ele morreu na manhã desta sexta-feira”, completa o texto.

O monarca tinha sido hospitalizado no mês passado: “Foi um símbolo importante da nossa história, da nossa cultura e do nosso património”, afirmou o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa.

Nascido em Nongoma, uma pequena cidade da província de KwaZulu Natal, no nordeste do país,  Goodwill Zwelithini subiu ao trono com 23 anos, após a morte de seu pai. Em 1971, durante o regime do Apartheid,  tornou-se o 8º rei zulu e um dos soberanos tradicionais mais conhecidos da África do Sul.

Antes das primeiras eleições democráticas na África do Sul, em 1994, Goodwill Zwelithini provocou grande preocupação, sobretudo, dentro do Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), o partido de Nelson Mandela, ao reunir milhares de homens armados nas ruas de Johannesburgo.

Muitos eram simpatizantes do partido nacionalista zulu Inkatha Freedom Party (IFP). Um tiroteio defronte da sede do ANC terminou com 42 mortos e 250 feridos.

Nos últimos anos, o rei multiplicou as declarações de carácter xenófobo. Zwelithini chamou os migrantes africanos de “formigas” e “piolhos”, acusando-os de contribuírem para o “aumento da anarquia” no país.

As declarações provocaram grande polémica no exterior. O rei, sempre com sua tradicional vestimenta de peles, foi acusado de estimular uma onda de ataques racistas, que provocaram sete mortes e deixaram milhares de deslocados.

Descendente do todo-poderoso Shaka, que dirigiu a nação zulu até ao seu assassinato em 1828, Goodwill Zwelithini restabeleceu nos anos 1980 o Umhlanga, um ritual anual de oito dias em que jovens seminuas cortam juncos e dançam ao redor da residência real. Apenas jovens virgens podem participar, pois é proibido que uma mulher “impura” corte a cana.

Recentemente, mostrou-se favorável aos castigos físicos na escola e também afirmou que a homossexualidade “não era aceitável”.

Goodwill Zwelithini levou uma vida de luxo entre vários palácios, com seis esposas e quase 30 descendentes, com uma renda anual paga pelo Estado de quase quatro milhões de dólares.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.