LinkedIn suspende novas inscrições na China

A rede social profissional LinkedIn, que pertence ao grupo americano Microsoft, anunciou a suspensão de novas adesões aos seus serviços na República Popular da China para verificar se estão de acordo com as leis do país.

O LinkedIn tem uma versão em língua chinesa desde 2014, quando decidiu expandir os serviços, mas aceitou a rígida censura em vigor na China. Tem quase 50 milhões de usuários no país.

Esta é uma das poucas plataformas internacionais acessíveis na China, onde todos os temas politicamente sensíveis são submetidos à censura em nome da estabilidade nacional, e onde os gigantes da tecnologia são obrigados a bloquear todos os conteúdos indesejáveis: “Estamos numa plataforma global com uma obrigação de respeitar as leis (…) incluindo as regulamentações do governo chinês sobre a nossa versão do LinkedIn na China”, afirmou o grupo, num comunicado com data de 9 de Março, que não apresenta detalhes sobre as regulamentações.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.