China vai legislar para combater sanções estrangeiras

A República Popular da China vai acelerar o processo de formulação de leis para conter sanções estrangeiras, informou na segunda-feira a Assembleia Nacional Popular, numa altura em que o país enfrenta uma pressão crescente de países ocidentais face a questões como Hong Kong e Xinjiang.

Ao ler o seu relatório anual durante a reunião anual do hemiciclo, o responsável pel Assembleia Nacional Popular, Li Zhanshu, disse que no próximo ano a China vai acelerar a produção legislação relacionada com a política externa e “vai actualizar o seu conjunto de ferramentas legais” na tentativa de “se opor a sanções e à interferência estrangeira”.

Num discurso feito em Novembro, o presidente chinês, Xi Jinping, exortou a cúpula do partido a “promover o Estado de Direito” em questões que envolvem intervenientes estrangeiros. O governante pediu ainda o recurso a meios legais para defender a soberania, a segurança e os interesses da República Popular da China.

Os Estados Unidos recorrem cada vez mais a sanções ou à ameaça de sanções para expressarem a sua preocupação com a forma como a China trata a minoria muçulmana uigur em Xinjiang e os activistas pró-democracia em Hong Kong.

A República Popular da China, que advoga com frequência uma política de não-interferência, sustenta que se trata de assuntos internos dos quais Washington se deve abster.

A China tem criticado o Canadá por ter detido Meng Wanzhou, directora executiva da Huawei, em 2018 devido a um pedido de extradição dos EUA e tem vindo a tentar obter a sua libertação desde então.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.