Tailândia. Dezoito activistas acusados do crime de sedição

Fotografia: Kitthitorn Chayuthapoom/Unsplash

O Ministério Público tailandês acusou esta segunda-feira de sedição 18 activistas pró-democracia, três dos quais já tinham sido acusados de insultar a monarquia, crime de lesa majestade que é punido de forma severa no país.

As acusações de sedição, crime que é punível com até sete anos de prisão, estão relacionadas com os protestos anti-governamentais de Setembro de 2020. Os advogados de defesa dos acusados adiantaram esta segunda-feira que as provas não foram ainda clarificadas peo Ministério Público tailandês.

As acusações de lesa majestade, aplicadas a três dos 18 acusados, visam os activistas Panusaya Sithijirawattanakul, Jatupat Boonpattararaksa e Panupong Jadnok.

As autoridades judiciais da Tailândia estão a reforçar as acusações contras os activistas envolvidos nos movimentos estudantis que exigiram a demissão do governo e a deposição do primeiro-ministro, Prayuth Chan-Ocha.

Os manifestantes exigiram também a revisão da Constituição no sentido de tornar o país mais democrático e pediram reformas para tornar o regime monárquico mais “responsável”.

As exigências dos estudantes e dos activistas sobre a monarquia são consideradas graves porque o regime raramente se depara com o escrutínio da população. A família real é vista como um dos pilares que garantem a identidade e a estabilidade do país. Os acusados de crimes contra a monarquia estão, na Tailândia, sujeitos a penas de até quinze anos de prisão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.