Covid-19. Israel recupera “uma certa normalidade”

Israel recuperou este domingo uma certa normalidade, numa altura em que faltam 15 dias para eleições. A melhoria do panorama epidémico foi possível graças a uma campanha massiva de vacinação e medidas para sair do confinamento, como o retorno às aulas ou a possibilidade de voltar a almoçar num restaurante.

As medidas, aprovadas pelo governo no sábado à noite, eram muito aguardadas pelos israelitas desde a saída que o país abandonou gradualmente o seu terceiro confinamento, em meados de Fevereiro.

“Aberto” ou “Volta à normalidade, com cautela” eram as manchetes dos principais jornais nacionais: “É um grande dia, abrimos os restaurantes com o passaporte verde, estamos a regressa à vida”, comemorou neste domingo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, sentado na esplanada de um café em Jerusalém ao lado do presidente da Câmara  da Cidade Santa, Moshe Leon.

Os bares e restaurantes já podem reabrir para quem tem o chamado “passaporte verde”, autorização concedida a quem já recebeu duas doses da vacina ou recuperou da Covid-19.

A reabertura chega no momento certo para Netanyahu, que joga a carta da “Nação da Vacina”, um regresso à normalidade favorecido pela vacinação em massa, na tentativa de ganhar as legislativas de 23 de Março, as quartas em menos de dois anos.

As últimas pesquisas dão ao seu partido, o Likud (direita), o primeiro lugar, mas sem apoio suficiente, por enquanto, para formar um governo com os seus aliados.

Mais da metade dos 9,3 milhões de israelitas receberam a primeira dose da vacina Pfizer/BioNtech, à qual Israel tem acesso privilegiado sob um acordo para compartilhar dados biomédicos sobre os efeitos da vacinação. E cerca de 40 por cento  dos israelitas receberam a segunda dose.

Aeroportos, restaurantes e variantes

De acordo com as novas medidas para aliviar as restrições, os alunos poderão regressar às salas de aula em áreas onde a taxa de contaminação continua baixa.

As restrições aos locais de culto também foram relaxadas: 50 pessoas ao ar livre e 20 no interior. Também estão em processo de reabertura salões de festa e refeitórios de hotéis, que poderão acomodar até 50 por cento da sua capacidade, com um máximo de 300 pessoas.

Os eventos culturais e desportivos e as conferências poderão ser retomadas com um máximo de 500 pessoas no interior e 750 no exterior, mediante apresentação do “passaporte verde”.

O aeroporto Ben Gurion de Tel Aviv, encerrado desde o final de Janeiro, excepto para voos de carga e especiais que permitem um máximo de 200 pessoas voltando para casa por dia, aumentou sua capacidade para 1.000 viajantes diários de Nova Iorque, Frankfurt, Paris, Londres, Kiev, Toronto e Hong Kong.

Espera-se que esse número suba para 3.000 até meio da semana.

A campanha de vacinação, que arrancou a 19 de Dezembro, reduziu o número de infecções de um pico de 10.000 por dia em meados de Janeiro para cerca de 3.600 por dia na semana passada, com queda nos testes positivos.

No entanto, apesar desse declínio, as autoridades de saúde pública permanecem cautelosas, especialmente porque o número de pessoas vacinadas está a começar a estabilizar-se e novas variantes do coronavírus continuam a circular: “Se não agirmos com responsabilidade, se não seguirmos as directrizes, existe a possibilidade de um quarto confinamento antes das eleições”, alertou Nachman Ash, coordenador da luta contra o coronavírus no fim de semana.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.