Suiços pronunciam-se nas urnas sobre iniciativa contra a burca

Fotografia: Element 5 Digital/Unsplash

Os suíços deslocam-se às urnas no domingo para se pronunciar sobre a proibição de esconder o rosto em público, uma iniciativa que visa directamente as mulheres muçulmanas que usam niqab e burca, ainda que muito poucas o façam no país alpino.

As sondagens apontam para a vitória da iniciativa chamada “antiburca”, depois de anos de debates e da adopção de medidas semelhantes em outros países europeus.

Se o texto não menciona a burca – uma espécie de túnica longa que cobre as mulheres da cabeça aos pés e tem uma rede na altura dos olhos – ou o niqab – que cobre completamente o corpo e o rosto, excepto os olhos –  todos sabe qual o propósito da proposta legislativa.

Para quem não entendeu, mulheres cobertas com o niqab aparecem nos cartazes da campanha “Acabar com o Extremismo”.

Por sua vez, os cartazes dos que se opõem à iniciativa apelam ao voto “não a uma lei islamofóbica, absurda e inútil”.

Se a iniciativa for aprovada, será proibido cobrir completamente o rosto em público, embora estejam previstas excepções, por exemplo, para locais de culto.

“O objectivo da iniciativa não são os muçulmanos. Não questionamos  as suas práticas religiosas”, disse à AFP Jean-Luc Addor, porta-voz do ‘sim’ e membro do partido populista de direita UDC. Para Addor, trata-se de defender “os valores da nossa civilização”.

Addor reconhece que existem muito poucas mulheres que usam este tipo de vestimenta na Suíça. Mas, “quando um problema é identificado, deve ser resolvido antes que saia do controlo”.

Muitas organizações feministas opõem- se à proibição: “Além de inútil, este texto é racista e sexista. Em pleno 2021, como feministas, não é aceitável que a Constituição suíça tenha um artigo que ordene ou proíba as mulheres, sejam elas quem forem”, disse à AFP Inés El Shikh, porta-voz do colectivo feminista muçulmano “Lenços Violetas”.

Para El Shikh, o projecto de lei cria a ilusão de um problema onde não há problema nenhum e diz respeito a apenas algumas dezenas de mulheres.

O sim lidera nas pesquisas, mas a sua vantagem inicial, muito confortável, caiu desde Janeiro.

O governo federal e o Parlamento opõem-se à medida, argumentando que trata de um problema que não existe.

A alternativa, que seria adoptada imediatamente em caso de fracasso do sim, obrigaria as pessoas a mostrarem o rosto quando as autoridades exigirem para fins de identificação, por exemplo, nas fronteiras. As infractoras podem ser multadas em até 10.000 francos suíços.

A ministra da Justiça da Suíça, Karin Keller-Sutter, sublinhou que a grande maioria das mulheres que usam niqab são turistas. Antes da pandemia do coronavírus, não era incomum vê-las a fazer compras em lojas de luxo no centro de Genebra.

Liberais e políticos de esquerda aderiram à iniciativa do partido UDC em nome da protecção dos direitos das mulheres.

Na Suíça, 100 mil assinaturas a favor de uma proposta são suficientes para que os cidadãos opinem em referendos. É uma democracia directa que é o orgulho do país, de 8,6 milhões de habitantes.

Para que o sim ganhe, deve obter a maioria dos votos e prevalecer na maioria dos 26 cantões.

De acordo com dados de 2019 do gabinete de estatísticas helvético, cerca de 5,5 por cento da população suíça é muçulmana, essencialmente com raízes na antiga Jugoslávia, onde essa tradição não existe ao nível da indumentária.

Em 2009, os suíços votaram pela proibição da construção de minaretes em mesquitas, gerando raiva em países muçulmanos e sendo aclamada por partidos nacionalistas europeus. Dois cantões já proíbem a cobertura do rosto.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.