Hong Kong. Assembleia Nacional Popular prepara-se para dizimar o que resta da oposição

Fotografia: Florian Wehde/Unsplash

A República Popular da China intensificou na sexta-feira a ofensiva para impor a sua vontade em Hong Kong, com uma reforma eleitoral que permitirá excluir das eleições candidatos da oposição que militem por um sistema democrático.

No Palácio do Povo, o Parlamento chinês inaugurou esta sexta-feira a sessão plenária da Assembleia Nacional do Povo (ANP). Como todos os anos, os cerca de 3.000 deputados aprovarão até à próxima quinta-feira os textos apresentados pelo Partido Comunista (PCC) no poder.

A sessão é tradicionalmente vista como a ocasião para o regime chinês exibir as suas conquistas. Este ano, num discurso abrangente, o primeiro-ministro Li Keqiang reivindicou a quase erradicação da Covid-19, a eliminação da pobreza absoluta e o regresso ao crescimento económico.

“As nossas vitórias, que receberam a aprovação de nosso povo e o reconhecimento mundial, ficarão para a História”, declarou, antes de anunciar uma previsão de crescimento económico de pelo menos 6 por cento para 2021.

No ano passado, a sessão parlamentar foi dominada pela questão de Hong Kong, a antiga colónia britânica sacudida em 2019 por manifestações contra o controlo de Pequim.

Na ocasião, a Assembleia Nacional Popular impôs à Região uma lei da segurança nacional que sufocou a contestação. Esta semana, 47 activistas pró-democracia foram presos sob a acusação de “subversão”, ao abrigo do diploma.

Hong Kong voltou a estar  sob o olhar do mundo este ano, com um projecto de reforma eleitoral que deve ser votado pelos deputados chineses na quinta.

Os opositores do regime comunista entendem que o projecto é o último golpe à democracia em Hong Kong: “Se as medidas forem adoptadas, e certamente serão, a voz da oposição será amordaçada”, observa o sinólogo Willy Lam, da Universidade Chinesa de Hong Kong. “Vai eliminar o que resta da oposição”.

Apesar das críticas e sanções dos países ocidentais, o regime chinês não desistiu de subjugar Hong Kong.

De Londres a Washington, o regime é acusado de violar os termos do acordo que resultou na devolução do território em 1997. A declaração conjunta pressupunha justamente a manutenção de um regime democrático em Hong Kong até 2047.

“A UE apela às autoridades de Pequim para que considerem cuidadosamente as consequências políticas e económicas de qualquer decisão de reformar o sistema eleitoral de Hong Kong que minaria as liberdades fundamentais, o pluralismo político e os princípios democráticos”, alertou na sexta o porta-voz do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

“A União Europeia está pronta para tomar medidas adicionais em resposta a qualquer nova deterioração séria das liberdades políticas e dos direitos humanos em Hong Kong, o que seria contrário às obrigações nacionais e internacionais da República Popular da China”, disse Borrell.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.