Covid-19. Brasil com recorde absoluto de mortos pelo segundo dia consecutivo

Fotografia: Jade Scartlato/Unsplash

O Brasil registou na quarta-feira o segundo recorde diário consecutivo de mortes por coronavírus, com 1.910 falecimentos em 24 horas. No total, já morreram 259.271 pessoas no país. A avassaladora marca materializa-se numa altura em que a pandemia atravessa a sua fase mais letal no país.

O balanço diário no que toca às novas infecções também registou 71.704 novos casos em 24 horas, o segundo pior registo desde que o primeiro caso de Covid-19 foi detectado no Brasil, em Fevereiro de 2020, elevando o número total de infecções para 10,7 milhões.

O país, de 212 milhões de habitantes, já tinha registado na terça-feira um recorde de 1.641 mortes por Covid-19: “Hoje é um dia difícil para todos os brasileiros. Atingimos um grave momento da pandemia. As variantes do coronavírus atingem-nos de forma agressiva”, disse o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, num breve vídeo divulgado esta noite, sem fazer menção ao número recorde de mortes.

A média móvel (média de casos ou mortes dos últimos 7 dias) do Brasil é de 1.331 óbitos por dia, outro recorde. Desde Janeiro que o país não consegue ficar abaixo da marca das mil mortes por dia, como aconteceu entre Junho e Agosto do ano passado.

Quase vinte dos 26 estados e o Distrito Federal têm mais de 80 por cento das suas camas ocupados em unidades de cuidados intensivos (UCI’s), o que levou autarcas e governadores a aumentarem as restrições ao deslocamento de pessoas e ao encerramento de algumas actividades.

São Paulo, de 46 milhões de habitantes, decretou na quarta-feira o regresso por duas semanas à ‘fase vermelha’ das restrições, que só permite o funcionamento de actividades essenciais nas áreas de saúde, alimentação e transportes públicos. Escolas e igrejas vão permenecer abertas: “Vamos enfrentar as duas piores semanas desde Março do ano passado”, quando o vírus fez a primeira das já mais de 257 mil vítimas mortais que o país acumula, declarou o governador de São Paulo, João Doria.

Este número só é superado pelo balanço dos Estados Unidos, num momento em que a vacinação no Brasil, iniciada em Janeiro, avança lentamente e com interrupções por falta de doses.

O recrudescimento de casos e mortes pode dever-se, de acordo com algumas pesquisas, à presença de uma nova variante do coronavírus detectada na Amazónia, denominada P.1, mais contagiosa e que já está presente em pelo menos 17 estados.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.